UE pede à Turquia que respeite o acordo sobre migrantes

Um migrante iraniano e seu cachorro se dirigem a um acampamento no lado turco perto de Pazarkule, na fronteira com a Grécia, em 9 de março de 2020

Os líderes da União Europeia (UE) pediram à Turquia nesta segunda-feira a "cumprir" seu compromisso de afastar os migrantes das fronteiras do bloco, durante uma discussão "aberta" com o presidente turco que viajou a Bruxelas para buscar apoio na Síria .

O controverso acordo firmado em 2016 entre a UE e a Turquia, que conseguiu reduzir drasticamente a chegada de refugiados e migrantes às costas gregas, centralizou a discussão entre os líderes, depois de semanas de censuras cruzadas sobre sua aplicação.

"Todo mundo tem que cumprir seus próprios compromissos" do acordo ", disse o chefe do Conselho Europeu, Charles Michel, em entrevista coletiva depois de conversar com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, e o chefe da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen .

A reunião procurou acalmar a tensão entre a UE e a Turquia, depois que Erdogan, a fim de obter o apoio dos europeus na Síria, decidiu permitir o avanço dos migrantes em seu solo em direção à fronteira com a Grécia, contra o pacto de 2016.

Milhares de migrantes estão lotados ao longo da fronteira desde 28 de fevereiro, obrigando as forças de segurança gregas a fortalecer suas fronteiras e reivindicar o apoio de seus 26 parceiros europeus com medo de uma nova crise migratória, como em 2015.

A UE acusa a Turquia de usar os migrantes "para fins políticos", enquanto Ancara, que nega todas as chantagens, considera a ajuda europeia sob o pacto insuficiente.

Ambas as partes decidiram enviar seus ministros das Relações Exteriores para revisar sua implementação.

O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, e o chanceler europeu, Josep Borrell, terão que rever "nos próximos dias" o acordo para "esclarecer a solicitação" e "garantir" que ambas as partes tenham a "mesma interpretação", Michel explicou.

O movimento permite que a UE e a Turquia ganhem tempo com essa questão espinhosa, como evidenciado pelo rápido retorno de Erdogan para Ancara sem falar com a imprensa. Von der Leyen e Michel foram os únicos a aparecer após a longa reunião.

"Temos nossos desacordos, mas falamos clara e abertamente", disse o presidente da Comissão, para quem o acordo de 2016 "permanece válido" e agora se trata de "implementar os elementos restantes".

A reunião "com a UE foi produtiva", disse uma fonte da presidência turca, afirmando que Erdogan, que falou anteriormente com o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, falaria com a imprensa no avião durante o retorno à Turquia.

O presidente turco também buscou com sua viagem mais apoio de seus aliados na Síria, onde lançou em 1º de março uma ofensiva contra o regime sírio na província de Idlib (noroeste) antes de firmar uma trégua com Moscou, aliado de Damasco.

"Esperamos apoio concreto de todos os nossos aliados nessa luta conduzida pela Turquia com grande auto-sacrifício e sozinha", disse Erdogan, pedindo resultados "sem mais demora" e "sem condições políticas" prévias.

- 1.500 migrantes menores -

Nem a UE nem a Turquia especificaram o conteúdo de sua discussão. Sobre os 6 bilhões de euros para atender os migrantes na Turquia, dos quais Bruxelas já comprometeu 4,7 bilhões e desembolsou 3,2 bilhões, Michel disse que eles deveriam ser melhor explicados.

Questionado se as exigências de Erdogan incluem isenção de visto para cidadãos turcos, uma das exigências de Ancara, Von der Leyen respondeu evasivamente: "Cada questão será uma questão de discussão, de avaliação".

Com a reunião, a UE também quis reiterar seu apoio à Grécia e sua mensagem de que suas fronteiras estão fechadas à migração irregular, para desativar uma eventual nova crise migratória como a de 2015 que dividiu o bloco.

A Alemanha também anunciou na segunda-feira que uma coalizão de "voluntários" dos países da UE está considerando cuidar de até 1.500 crianças migrantes bloqueadas nas ilhas gregas "para apoiar a Grécia na difícil situação humanitária".

Além da Alemanha, Luxemburgo, Finlândia, França e Portugal manifestaram vontade de participar desta iniciativa, acolhida pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

A ofensiva do regime sírio, apoiada por Moscou, na província de Idlib (noroeste), a última fortaleza rebelde na Síria, fez com que um milhão de pessoas deixassem suas casas e Ancara teme que cheguem ao seu lugar.

Mais de 1.700 migrantes chegaram, por outro lado, às ilhas gregas, o que aumentou os 38.000 que já estão superlotados nos campos de refugiados em condições cada vez mais precárias.

burs-tjc/eg/lca