UE pede que AstraZeneca publique contrato de vacina vendo piora na crise de suprimento

Francesco Guarascio
·1 minuto de leitura
Logo da AstraZeneca atrás de agulha em foto de ilustração

Por Francesco Guarascio

BRUXELAS (Reuters) - A União Europeia está pedindo à AstraZeneca que publique o contrato que assinou com o bloco para o suprimento de vacinas contra Covid-19, disse uma autoridade da UE nesta quarta-feira, uma escalada de uma crise a respeito dos atrasos nas remessas.

A empresa desistiu de uma reunião com a UE agendada para esta quarta-feira, acrescentou a autoridade.

Em uma entrevista concedida a jornais na terça-feira, o presidente-executivo da AstraZeneca, Pascal Soriot, disse que o contrato com a UE se baseou em uma cláusula de melhor esforço e não comprometeu a farmacêutica com um cronograma específico de entregas.

A distribuição de vacinas no bloco está sendo lenta, quando comparada à de países de outras regiões, especialmente o ex-membro Reino Unido, e assolada por problemas – as interrupções das cadeias de suprimento não sendo os menores deles.

A entrevista de Soriot veio após o anúncio da empresa sobre uma redução de suprimentos para a UE no primeiro trimestre que, na semana passada, uma autoridade da UE disse à Reuters equivaler a uma redução de 60%, ou 31 milhões de doses, causada por problemas de produção em uma fábrica da Bélgica.

O contrato do bloco com a AstraZeneca é um acordo de compra antecipada para o suprimento de ao menos 300 milhões de doses, contanto que a vacina seja aprovada por ser segura e eficiente.

Ainda nesta quarta-feira, o funcionário da UE disse que detalhes relevados por Soriot a respeito da capacidade produtiva e da cláusula de melhor esforço são confidenciais.

(Por Francesco Guarascio)