UE planeja limitar preço do gás russo enquanto Putin ameaça interromper fornecimento

BRUXELAS/VLADIVOSTOK, Rússia (Reuters) - A União Europeia propôs um teto para o preço do gás russo nesta quarta-feira, horas após o presidente da Rússia, Vladimir Putin, ameaçar interromper todos os fornecimentos caso tal medida fosse tomada, aumentando o risco de racionamento em alguns dos países mais ricos do mundo neste inverno no hemisfério Norte.

A escalada do impasse ameaça elevar ainda mais os preços do gás na Europa, aumentando as contas que os governos da UE estão pagando para impedir que seus fornecedores de energia entrem em colapso e evitar que clientes sem dinheiro congelem nos próximos meses de frio.

A Europa tem acusado a Rússia de usar os suprimentos de energia como armas em retaliação às sanções ocidentais impostas sobre Moscou por sua invasão da Ucrânia. A Rússia culpa essas sanções pelos problemas de fornecimento de gás, os atribuindo a falhas no gasoduto.

Os ministros de energia da UE realizarão uma reunião de emergência na sexta-feira para discutir como lidar com a crise energética.

"Nós vamos propor um teto para o preço do gás russo... Temos de cortar as receitas da Rússia que Putin usa para financiar esta guerra atroz na Ucrânia", disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, a repórteres.

A Comissão também apresentará outras medidas, incluindo o corte obrigatório no uso da eletricidade durante os horários de pico e um teto para as receitas de energia gerada a partir de outras fontes.

Mais cedo, em um fórum econômico em Vladivostok, Putin antecipou o movimento, alertando que os contratos de fornecimento poderiam ser rasgados e que o Ocidente congelaria como a cauda de um lobo em um famoso conto de fadas russo.

"Haverá alguma decisão política que contradiga os contratos? Sim, nós simplesmente não os cumpriremos. Não forneceremos nada se isso contradizer nossos interesses", disse Putin.

"Não forneceremos gás, petróleo, carvão, óleo para aquecimento - não forneceremos nada", disse Putin.

A Europa geralmente importa cerca de 40% de seu gás e 30% de seu petróleo da Rússia.

O Grupo dos Sete (G7) países ricos anunciou planos de impor um teto de preço às exportações de petróleo russo na semana passada, em uma medida que também pode restringir a capacidade da Rússia de garantir navios-tanque e seguros de países além do G7.

O aumento nos preços de energia está forçando empresas a reduzirem sua produção e os governos a gastar bilhões em apoio para amortecer os consumidores do impacto.

(Reportagem da Reuters)