UE pode autorizar duas vacinas contra a Covid-19 neste ano

·2 minuto de leitura
BRUSSELS, BELGIUM - NOVEMBER 19: EU High Representative of the European Union for Foreign Affairs and Security Policy Josep Borrell leads EU Foreign Ministers' video conference meeting in Brussels, Belgium on November 19, 2020. (Photo by EU Council/Pool/Anadolu Agency via Getty Images)
Reunião de representantes da União Europeia em Bruxelas, na Bélgica, em 19 de novembro de 2020 (EU Council/Pool/Anadolu Agency via Getty Images)

A União Europeia pode autorizar neste ano vacinas produzidas e testadas pelos laboratórios PFizer / BioNTech e Moderna, anunciou nesta quinta-feira (19) a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) "nos informou que uma autorização condicional de comercialização para BioNTech e Moderna pode ser emitida na segunda quinzena de dezembro, se tudo correr bem", disse Von der Leyen em entrevista coletiva no final de uma videoconferência dos líderes europeus.

Leia também

De acordo com a política alemã, a EMA está em "contato diário" com a sua equivalente americana, a Food and Drug Administration (FDA, em inglês), para "sincronizar as suas avaliações" das vacinas.

“Todas as vacinas da nossa lista serão devidamente analisadas pela EMA, antes de autorizá-las”, reforçou.

Esta semana, os especialistas da Moderna anunciaram que sua vacina contra a covid-19 é 94,5% eficaz. Na semana anterior, a Pfizer/BioNTech anunciou 90% de eficácia em seu produto.

A EMA deve analisar os resultados dos testes antes de recomendar que Bruxelas as aprove, mas após conversas com os líderes da UE, Von der Leyen mostrou-se cautelosamente otimista.

A União Europeia tem contratos para reservar centenas de milhões de vacinas futuras com a Pfizer/BioNTech, Curevac, AstraZeneca e Sanofi-GSK se elas puderem ser comercializadas.

"Continuamos as negociações com a Moderna e em diálogo com a Novavax", disse a funcionária, acrescentando que os líderes da UE expressaram apoio ao programa de compra.

Na quinta-feira, Ugur Sahin, cofundador da BioNTech, disse à AFP que a empresa estava aguardando a aprovação rápida de sua vacina.

"Estamos trabalhando a todo vapor", disse ele, confirmando que a empresa planeja solicitar autorização de uso emergencial nos Estados Unidos na sexta-feira, enquanto os reguladores europeus receberão outro lote de dados "na próxima semana".