UE precisa criar força militar de reação rápida, defendem autoridades do bloco

·1 minuto de leitura
Bandeiras da União Europeia na sede da Comissão Europeia em Bruxelas

Por Robin Emmott e Sabine Siebold

BRDO, Eslovênia (Reuters) - Duas autoridades de alto escalão da União Europeia pediram aos governos do bloco nesta quinta-feira para montarem uma força militar de ativação rápida para intervir ao redor do mundo, dizendo que a crise no Afeganistão será o catalisador para encerrar anos de inércia.

O principal diplomata do bloco e seu chefe militar disseram que a UE precisa reagir a conflitos além de suas fronteiras e que a criação de uma "força de entrada inicial" de 5 mil soldados é o caminho a seguir, diminuindo a dependência dos Estados Unidos.

"A situação no Afeganistão, no Oriente Médio e no Sahel mostra que agora é a hora de agir, começando com a criação de uma força europeia de reação rápida capaz de mostrar o desejo da União de agir como uma parceira estratégica global", disse o general Claudio Graziano, presidente do comitê militar da UE.

"Quando, senão agora?", disse ele aos repórteres enquanto ministros da Defesa do bloco se reuniam na Eslovênia para debater as consequências da retirada caótica de militares ocidentais do Afeganistão depois que o Taliban assumiu o controle do país em 15 de agosto.

Os esforços da UE para criar tal força estão paralisados há mais de uma década, apesar da criação de um sistema de grupos de batalha de mais de 1.500 soldados em 2007 que nunca foram usados devido a disputas sobre financiamento e à relutância em mobilizá-los.

"Às vezes há acontecimentos que catalisam a história, que criam um avanço, e acho que o Afeganistão é um deste casos", disse o chefe de política externa do bloco, Josep Borrell, na Eslovênia, acrescentando que uma força de reação rápida deveria ser parte disto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos