COP27 começa a negociar declaração final, com foco em finanças

A COP27, conferência do clima da ONU, iniciou nesta terça-feira (15) as negociações sobre sua declaração final, em que o financiamento para aliviar os efeitos do aquecimento global concentrará todas as atenções.

O evento de Sharm el-Sheikh também foi palco de alguns avanços modestos na redução das emissões de gases do efeito estufa.

A União Européia (UE) prometeu cortar suas emissões em 57%, em vez de 55%, até 2030, enquanto a Turquia também ofereceu uma ambição maior (de 21% hoje para 41% até 2030), mas esses anúncios não foram poupados de críticas de ambientalistas.

"Progredimos, mas certamente ainda há muito a ser feito", alertou o presidente da conferência, o chanceler egípcio Sameh Shukri.

O presidente da COP dividiu a elaboração da declaração final entre grupos de trabalho liderados pelos ministros, como é habitual nas conferências, para dar lugar às negociações políticas.

- Índia e Colômbia contra os combustíveis fósseis -

A COP27 encerra oficialmente seus trabalhos na sexta-feira, e o objetivo dos ambientalistas e dos países em desenvolvimento é conseguir que os países ricos assumam a criação de algum tipo de fundo ou mecanismo para assumir as perdas e danos causados pelo aquecimento global.

Esse aquecimento não deve ultrapassar +1,5ºC, aconselham os especialistas em clima. A meta, que foi acordada na Declaração de Paris de 2015 (COP21), também deve voltar a ser mencionado no texto final, segundo o rascunho que por enquanto se limita a elencar os desejos dos negociadores.

Para apoiar essa conquista, há um bloco de países, entre eles Índia e Colômbia, que insistem no abandono progressivo dos combustíveis fósseis, de acordo com observadores.

Em meio à crise energética, com os países voltando a usar massivamente gás e petróleo, as emissões de CO2 de origem fóssil batem recordes históricos este ano (+1% em relação a 2021), indicou um relatório divulgado durante a COP27.

Alguns ministros alertaram que o tempo urge. "Quantas vidas mais teremos que sacrificar?", exclamou o ministro do Desenvolvimento Sustentável de Belize, Orlando Habet.

- Perdas e danos -

Quanto às perdas e danos, um item que foi incluído na agenda da COP27 após muitas disputas diplomáticas, um rascunho separado propõe basicamente escolher entre a criação de um fundo específico ou o uso de mecanismos financeiros existentes dentro da ONU.

O vice-presidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans, disse que no momento não vê "um acordo" surgindo sobre a criação de "uma nova estrutura financeira".

Também está em pleno debate como atualizar, a partir de 2025, a cifra de 100 bilhões de dólares por ano para o financiamento de medidas de mitigação e adaptação às mudanças climáticas em países pobres.

Esse valor, que deveria ter sido alcançado em 2020, não foi cumprido até o momento pelos países desenvolvidos.

"A promessa de 100 bilhões de dólares [por ano] para a ação climática não pode mais ser ignorada, porque esse valor já é insuficiente diante dos desafios que temos", acrescentou Fiame Naomi Mataafa, primeira-ministra de Samoa, país insular ameaçado pela o aumento do nível dos oceanos.

Brasil, África do Sul, Índia e China (o grupo Basic) lembraram que esses 100 bilhões por ano são apenas "uma pequena fração" do dinheiro necessário para a transformação do modelo energético imposto pelas mudanças climáticas.

- Chegada de Lula -

Nesse contexto, o presidente eleito do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, desembarcou em Sharm el-Sheikh na manhã desta terça-feira.

O líder de esquerda é a personalidade mais aguardada esta semana por uma comunidade internacional ansiosa por ver uma reviravolta ambiental no país.

O desmatamento da Amazônia avançou fortemente sob o mandato do presidente Jair Bolsonaro, que expira no final do ano.

Lula se reunirá nesta terça-feira a portas fechadas com John Kerry, enviado especial dos Estados Unidos para o clima, antes de desenvolver sua agenda pública na COP27 na quarta e quinta-feira com pelo menos quatro eventos públicos.

Neles, espera-se que ele proclame seu compromisso com o “desmatamento zero” na Amazônia.

jz-avl/jz/zm/aa/ic