UE tentará deter fluxo migratório do Afeganistão, diz esboço de comunicado

·1 minuto de leitura
Pessoas retiradas do Afeganistão chegam a aeroporto de Pristina

Por Robin Emmott

BRUXELAS (Reuters) - Estados da União Europeia estão determinados a evitar uma imigração descontrolada do Afeganistão na esteira da tomada de poder do Taliban no país, disse o esboço de um comunicado preparado para uma reunião na terça-feira.

Governos da UE estão ansiosos para impedir uma repetição do influxo caótico de refugiados e imigrantes de 2015, que pegou o bloco despreparado e semeou divisões entre eles, atiçando o apoio a partidos de extrema-direita enquanto campos da Grécia, da Itália e de outras partes lotavam.

"Com base nas lições aprendidas, a UE e seus Estados-membros se mantêm determinados a agirem conjuntamente para evitar a recorrência da migração ilegal descontrolada de larga escala vista no passado preparando uma reação coordenada e ordeira", dirão ministros do interior na região, de acordo com o esboço de comunicado visto pela Reuters.

A posição emergiu no momento em que o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) alerta que até 1 milhão de afegãos podem fugir de seu país até o final do ano.

Milhares de afegãos são retirados em meio a uma grande ponte aérea montada por forças ocidentais desde que o Taliban tomou a capital Cabul no dia 15 de agosto, mas à medida que a operação se aproxima do fim, muitos são deixados para trás e ficam entregues a um destino incerto sob o comando do grupo islâmico radical.

O Acnur pediu apoio nesta segunda-feira, dizendo que uma "crise maior está só começando" para os 39 milhões de habitantes do Afeganistão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos