UE vai manter restrições a viagens não essenciais entre medidas caóticas em fronteiras

Gabriela Baczynska e Sabine Siebold
·1 minuto de leitura
Controle sanitário no aeroporto Charles de Gaulle, em Paris

Por Gabriela Baczynska e Sabine Siebold

BRUXELAS/BERLIM (Reuters) - Líderes governamentais da União Europeia irão acertar na quinta-feira a manutenção de restrições a viagens não-essenciais dentro da UE apesar do Executivo do bloco ter pedido a seis países aliviarem as restrições de fronteira na terça-feira.

Medidas unilaterais feitas por países membros da UE para combater a propagação de novas variantes do coronavírus interromperam o fluxo de bens e produtos no mercado comum do bloco composto por 27 países, arriscando até o fechamento de partes da fronteira entre França e Alemanha.

Esboços das conclusões para uma videoconferência de líderes da UE na quinta e sexta-feira, vistas pela Reuters, dizem que os governos vão concordar que as viagens não essenciais no bloco precisam continuar restritas já que o risco de contágio da Covid-19 continua sério e as novas variantes do vírus representam desafios adicionais.

"Medidas restritivas em relação a viagens não essenciais ainda podem ser necessárias para conter a propagação do vírus", disse o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, em uma carta escrita aos líderes governamentais da UE antes da reunião.

A Comissão Europeia, que representa o Poder Executivo do bloco, busca uma abordagem coordenada para restrições de fronteiras entre Estados da UE. A comissão disse na terça-feira que deu 10 dias para Bélgica, Dinamarca, Finlândia, Alemanha, Hungria e Suécia justificarem suas restrições unilaterais, que segundo o comissário de Justiça, Didier Reynders, haviam "ido longe demais".

Um porta-voz da Comissão Europeia disse que o bloco arrisca "fragmentação e interrupções ao livre movimento e para as cadeias produtivas - algo que testemunhamos de novo nas últimas semanas".

(Reportagem adicional de Michel Rose em Paris e Kate Abnett em Brussels)