UFC 283: Deiveson Figueiredo teme perder visão após lesão ocular e é levado para hospital para fazer exames

O momento mais polêmico do UFC 283 ficou por conta da lesão ocular sofrida por conta de Deiveson Figueiredo, que determinou a sua derrota para o mexicano Brandon Moreno, agora novo campeão do peso-mosca. O brasileiro foi levado a um hospital na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, para saber a gravidade da lesão sofrida.

UFC 283: Lenda do MMA, Maurício Shogun se despede do octógono com derrota para Potieria

UFC Rio: Glover Teixeira e Deiveson Figueiredo podem levar Brasil a recorde de cinturões e superar 'Era de ouro'

UFC 283: Jéssica Bate-Estaca vence Lauren Murphy e se recoloca como forte candidata a disputar cinturão

Deiveson sequer participou da coletiva de imprensa dos atletas após a realização do Ultimate. Dave Shaw, vice-presidente internacional do UFC, se limitou a dizer que não tinha novas informações sobre o atleta.

Procurado, o UFC confirmou que "ele foi transportado para o hospital para checar a lesão do olho". Após a luta, Deiveson manifestou medo de perder a vista. Apesar de o sangramento ter sido contido, há temor por uma lesão no globo ocular.

— Não posso falar que foi dedo no olho. Tomei o golpe e infelizmente fechou meu olho. Acho que foi uma lesão séria, Deus me proteja e que eu não perca a minha vista — disse Deiveson.

A polêmica aconteceu no terceiro round. Brandon Moreno acertou um belo cruzado em Deiveson, que reclamou de que um dedo do mexicano teria entrado em seu olho. Herb Dean não conseguiu paralisar a luta antes de Moreno encaixar uma montada. No chão, o mexicano levou ampla vantagem.

No replay, deu pra ver que os dedos do mexicano encostam no olho do brasileiro, mas não dá para dizer se foi intencional. A arbitragem considerou que o toque foi legal. O fato é que Deiveson não conseguiu voltar para o quarto round, dando a vitória para Brandon Moreno.

Na entrevista após a luta, as vaias dos torcedores mal deixaram com que o mexicano falasse. Um copo foi arremessado para dentro do octógono. Já o brasileiro, foi recebido aos gritos de "campeão".