Um ano depois de massacre, escola em Suzano será reaberta com reformas e medidas de segurança

Elisa Martins
Reforma da Escola Estadual Raul Brasil onde houve a morte de alunos no ano passado

SUZANO - Alvo de um ataque a estudantes e professores no ano passado, a Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, na Grande São Paulo, será reinaugurada em meados de abril com dois prédios novos, 21 salas reformadas e medidas adicionais de segurança, que incluem mudança da entrada principal e limitação de acesso a áreas comuns do colégio para não-alunos.

A escola passa por uma reforma desde outubro de 2019, sete meses depois da tragédia que vitimou sete alunos e dois funcionários. Em março do ano passado, dois ex-alunos entraram e dispararam no colégio. Outras onze pessoas ficaram feridas.

A área de dois mil metros quadrados em Suzano passa por uma remodelação, com novas salas e laboratórios. O portão de acesso será transferido para uma rua paralela, e a antiga entrada foi fechada com uma parede, pintada de amarelo.

— Depois daquele episódio, ouvindo pais e alunos, a estrutura do colégio foi repensada. A entrada principal não será mais a mesma. Ela será invertida, para o outro lado, com entrada específica para alunos e uma entrada controlada para comunidade, pais, ex-alunos, pessoas de fora do círculo do dia a dia da escola — diz o secretário de estado da Educação, Rossieli Soares, em visita às obras na escola, até agora 90% concluídas.

Uma das maiores preocupações, conta, foi com a adaptação de novas medidas de segurança, com entradas separadas para alunos e não alunos, com acesso restrito a áreas comuns, como salas de aula e cantina.

— Se um ex-aluno precisar pegar um documento na secretaria, por exemplo, terá uma entrada especial que não dará acesso às outras áreas da escola, ficando restrito à área da portaria — acrescenta o secretário.

Agentes da polícia militar, diz, atuam junto à secretaria de Educação. A ideia, afirma, é estender as medidas de segurança a outras escolas do estado, incluindo câmeras integradas ao sistema de segurança do estado. O orçamento previsto para as escolas do estado, diz o secretário, é de R$ 1 bilhão, entre o ano passado e até início do ano que vem, para reforma e modernização de 1384 escolas.

Reconstrução

Dois novos prédios da Raul Brasil foram reconstruídos, com novas salas de aula. O número de matrículas, diz o secretário, aumentou 10% neste ano. A Raul Brasil terá 1072 estudantes no atual ciclo escolar.

A sala de professores também foi ampliada, assim como banheiros, cozinha, biblioteca, quadras e laboratórios. Foi criada, ainda, uma nova área de convivência, arborizada, mantendo árvores que já existiam anteriormente.

A previsão inicial era de que a obra fosse finalizada em março. O atraso, diz Soares, se deu “por conta do calendário de chuvas”. A obra tem um investimento de R$ 3,1 milhões, custeados em parceria com a iniciativa privada. Enquanto isso, os alunos foram acomodados no prédio de uma faculdade da região.

— Está sendo uma mudança profunda - diz o prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi. — Pais e alunos pediram muito que aquele trauma do cenário fosse mudado. Pisos, tetos, salas, tudo foi mexido para atender alunos e tentar minimizar os efeitos daquelas imagens que ficaram na nossa mente.

Segundo o prefeito, a questão da segurança também foi reforçada nas escolas municipais, que foram equipadas com “botões de pânico” ligados ao sistema de segurança. Também há, afirma, atenção a acompanhamento psicológico dos alunos - incluindo os alunos da Raul Brasil.