Um dia após inauguração de exposição pela diversidade, shopping retira obras do corredor; ‘Fui censurado’, afirma artista

A exposição “Abecedário da diversidade”, do artista plástico Diego Moura, entrou em cartaz no corredor do terceiro piso do Plaza Shopping, em Niterói, nesta quinta-feira (dia 9) à noite e, menos de 24 horas depois, as obras foram retiradas do espaço. Com visitação gratuita, a mostra de arte digital pop é composta por imagens de personalidades da causa LGBTQIAP+ e por conteúdo informativo sobre o tema. A administração do shopping diz que exposição foi transferida de local para "não impactar o fluxo" durante o período de vendas de Dia dos Namorados.

Diverssidade: Sigla LGBTQIAP+ entra no debate dos problemas indígenas

Saúde: 'É preciso falar mais dos idosos que saem do armário, eles existem e são vulneráveis', diz geriatra

Moura acredita ter sido censurado depois que o vereador de Niterói e pré-candidato a deputado estadual pelo PL do Rio de Janeiro, Douglas Gomes, gravou um vídeo no local e o publicou em suas redes sociais, dizendo que as placas que tratavam sobre sexualidade era “um absurdo” e que o centro comercial “trabalhava para sexualizar as crianças”.

— Estou confuso, magoado, tentando entender, porque o Plaza falou que ia me proteger de qualquer ataque (de ódio) antes mesmo da inauguração da exposição. Eu disse a eles que não sou uma pessoa que se expõe politicamente. O meu ato político é a minha existência. A minha arte representa pessoas, eu dou visibilidade a elas. Eu sei que Niterói é uma cidade que tem muita gente preconceituosa. E eles me disseram que o shopping apoia a causa LGBT, que eu podia ficar tranquilo, que não ia ficar desassistido. Eles me passaram uma segurança. Estava tudo certo até ontem, todo mundo comemorando a inauguração da exposição. E hoje eu recebo a foto de um amigo me questionando: “Cadê a mostra?”. Quando eu entrei em contato, ninguém me respondeu. Me deixaram totalmente desassistido — conta Moura.

O artista selecionou personalidades para homenagear e representar o movimento: a ex-BBB Linn da Quebrada, o humorista niteroiense Paulo Gustavo, os cantores Elton John, Ludmilla, Luísa Sonza, Petra Gil, Pabllo Vittar e Gloria Groove.

— Em paralelo, a ideia foi a gente apresentar o abecedário da diversidade. Ensinar para os leigos o que significa o LGBTQIAP+. As explicações usadas foram as mais simples, e a fonte primária foi o Brasil Escola. Existe uma equipe da diversidade no shopping, uma funcionária transexual que participou dos ajustes. Então, passou pelo crivo de pessoas que sabem do que se trata. A gente tomou todo um cuidado. Ficamos dias fazendo reajustes de textos, para deixar muito coeso e certinho. Não foi feito de um jeito irresponsável. O Plaza sabia de todo o conteúdo, foi aprovado. Fizemos o contrato.

Moura conta que na noite desta sexta-feira, quando chegou ao shopping, encontrou todas as suas obras “escondidas numa salinha em obras, cheia de poeira e cimento”.

— Desrespeitaram o meu trabalho, em todos os sentidos. Eu fui procurar saber nas lojas por que os comerciantes se incomodaram, porque foi essa a desculpa que a administração do shopping me deu, que as obras atrapalhavam a circulação de pessoas e as vendas para o Dia dos Namorados. Mas os lojistas se mostraram revoltados com a censura. Porque as equipes são em sua maioria da comunidade LGBT. Eu sei o que é censura, o que é homofobia. Ninguém é leigo aqui. Inclusive, o intuito da exposição é combater esse tipo de argumento arcaico — reafirma Moura.

Empresas: Inclusão e diversidade exigem novo perfil de vagas

Carreira: Mitos sobre diversidade, equidade e inclusão nas empresas impedem o avanço de lideranças nessa jornada

Carreira: Mitos sobre diversidade, equidade e inclusão nas empresas impedem o avanço de lideranças nessa jornada

Em suas redes sociais, após a publicação do vídeo de crítica, o vereador Douglas Gomes comemorou a retirada das obras do corredor do shopping:

“O PLAZA RECUOU! | Após nosso posicionamento ontem sobre a exposição LGBT que o @plazaniteroi fez em parceria com a @iplaceplazashoppingniteroi eles RETIRARAM os murais hoje. E não somente isso, nossa equipe perguntou a funcionários do shopping sobre a exposição e NENHUM deles sabia dela. Eles não só retiraram a exposição como estão fazendo tudo para fingir que nunca aconteceu. SUPREMO É O POVO! O nosso posicionamento fez diferença! Não iremos nos dobrar a um shopping que quer enfiar goela a baixo a cultura LGBT aos nossos filhos! A família resiste!”

O artista plástico afirma que vai tomar todas as medidas cabíveis junto à Justiça e aos Direitos Humanos para reverter a situação. E que a resposta que espera do centro comercial é que suas obras sejam recolocadas no mesmo corredor em que estava na inauguração.

— Me afundar em tristeza não vai resolver nada. Voltar com a exposição vai ser a resposta. Minha arte sempre foi muito bem aceita, nunca fui alvo de ódio assim. Sempre fui acolhido, as pessoas sempre elogiaram. Na vida, eu já sofri muito preconceito quando mais jovem. Eu andava na rua e me tacavam pedras. Todos os homossexuais já passaram por isso. Nos momentos de maior desespero, a arte era o meu refúgio. Hoje, eu vejo que esse refúgio que eu criei não me protege. Eu me vejo numa situação muito vulnerável. Será que eu não sou nada, não tenho valor? Essas situações ferem, fazem a gente refletir. Mexeram com o meu sonho, brincaram com uma paixão minha — se ressente, complementando: — Isso acontecer justamente no Mês do Orgulho LGBTQIAP+ mostra que só querem usar a nossa história para lucrar. E num momento que precisavam se posicionar para me defender, eles simplesmente ouviram a voz do ódio, e não a do conhecimento. Estou me sentindo humilhado, usado.

O Plaza Shopping Niterói diz, em nota, que preza pela tolerância e busca propor sempre um ambiente de respeito para clientes, lojistas e colaboradores: "A exposição, contratada pelo shopping, está acontecendo em uma loja no 3º andar, com entrada gratuita, para não impactar o fluxo do mall, especialmente no período de Dia dos Namorados", afirma. A administração do shopping diz ainda que a exposição tem caráter informativo, "levando ao conhecimento do público em geral a definição de cada letra da sigla LGBTQIA+, além de imagens de personalidades do movimento".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos