Um em cada cinco sobreviventes de infarto lembram da sensação de quase morte durante o ataque

A ideia da morte causa em muitas pessoas o sentimento de angústia e de muita ansiedade, mas cientistas fizeram novas pesquisas envolvendo pacientes que foram submetidos à uma ressuscitação cardiopulmonar (RCP) após uma parada cardíaca, e revelaram que a experiência de falecer pode ser menos angustiante do que pensamos. Os pesquisadores descobriram que um em cada cinco entrevistados tiveram experiências lúcidas de morte , apesar de aparentemente estarem fora da contagem de batimentos cardíacos.

Longevidade: os 5 hábitos para acelerar o metabolismo depois dos 50 anos

Costas curvadas, mãos de garra: Cientistas mostram como os humanos poderão parecer no ano 3000, graças à dependência da tecnologia; veja fotos

O estudo foi apresentado nas sessões científicas da Associação Americana do Coração, e contou com 567 pessoas que tiveram a experiência do coração parar de bater enquanto estavam no hospital antes mesmo que os médicos realizassem o procedimento de emergência para evitar a sua morte. Os sobreviventes de infarto relataram uma sensação de separação de seu corpo, sem sentimento de dor ou angústia.

Outros disseram que foram capazes de avaliar sua vida enquanto estavam aparentemente inconscientes, dando veracidade ao que muitas pessoas acreditam, que as nossas vidas passam diante de nossos olhos enquanto morremos.

Os pesquisadores analisaram os padrões de atividade das ondas cerebrais dos pacientes durante a RCP. Ao fazer isso, eles detectaram picos de atividade, incluindo ondas gama, delta, teta, alfa e beta, que normalmente surgem durante processos conscientes. Surpreendentemente, essas explosões de atividade estavam presentes até uma hora após a infarto, mesmo não havendo sinais de vida dos pacientes.

Osteoporose: saiba como reduzir riscos da doença e fortalecer os ossos

Vivi para contar: ‘Tatuei o nome dos meus médicos na perna, estou viva graças a eles’

“Essas experiências e mudanças nas ondas cerebrais podem ser os primeiros sinais da chamada experiência de quase morte, e nós as capturamos pela primeira vez em um grande estudo”, disse o autor da pesquisa Sam Parnia, em um comunicado .

Essas memórias tinham sete temas cognitivos principais, incluindo ver uma luz brilhante, uma sensação de déjà-vu, recordar eventos da vida e encontrar membros da família. Alguns sobreviventes disseram ter visto animais ou plantas, enquanto outros relataram ter medo ou sofrer violência ou perseguição durante sua breve retirada da vida.

Em 2019, os pesquisadores apresentaram os resultados de mais uma rodada de entrevistas. A comparação das experiências dos entrevistados com um registro de sobreviventes de parada cardíaca revelou que 95% dos ressuscitados que relataram memórias experimentaram uma sensação de alegria e paz , 86% viram uma luz e 54% revisitaram suas principais lembranças ainda em vida. Após serem trazidos de volta, 95% disseram que o evento os transformou de forma positiva.

“Essas experiências lúcidas não podem ser consideradas um truque do cérebro desordenado ou moribundo, mas sim uma experiência humana única que emerge à beira da morte” disse Parnia. Segundo os pesquisadores, o cérebro pode passar por um processo chamado desinibição à medida que morremos, resultando em uma enxurrada de atividade que fornece acesso às camadas mais profundas da consciência.

Os cientistas dizem que os resultados oferecem evidências de que, enquanto estão à beira da morte e em coma, as pessoas passam por uma experiência consciente interior única, incluindo consciência sem angústia. Mas que saber exatamente por que isso ocorre é difícil, mesmo que o fenômeno levante algumas questões intrigantes sobre a consciência humana, mesmo na morte.