Um estudo lança luz sobre um drama misterioso do século 20 na Rússia

Kelly MACNAMARA
·2 minuto de leitura
Militares da Guarda Nacional Russa (Rosgvardia) patrulham a Praça Vermelha durante uma nevasca em Moscou em 28 de janeiro de 2021

As mortes inexplicáveis de nove jovens em um desfiladeiro isolado de Ural em 1959 têm sido objeto de fascínio na Rússia, com hipóteses espetaculares, de um ataque alienígena a um teste nuclear fracassado. Agora, um novo estudo apresenta uma tese mais natural.

O "mistério do desfiladeiro de Diatlov" foi mantido vivo ao longo das décadas, mesmo depois que uma investigação oficial no ano passado concluiu que os estudantes, cujos corpos congelados foram encontrados espalhados pela montanha e em alguns casos terrivelmente feridos, morreram em uma avalanche.

Em artigo publicado esta semana na revista científica Earth and Environment, um grupo de pesquisadores sugeriu que realmente foi uma avalanche, mas que ocorreu mais tarde do que o esperado devido a uma combinação de fatores. Por isso surpreendeu os jovens enquanto dormiam em sua tenda, a uma temperatura próxima de -25ºC.

"Alguns elementos do mistério do desfile de Diatlov nunca serão esclarecidos, porque não houve sobreviventes", admite Johan Gaume, coautor do estudo, que dirige o Laboratório de Simulação de Avalanche da Escola Politécnica de Lausanne (Suíça).

O que é certo é que a equipe de montanhistas liderada por Igor Diatlov armou sua barraca na noite de 1º de fevereiro de 1959 na encosta do Kholat Saykhl (a montanha morta).

Foi aberta uma investigação criminal, que foi rapidamente encerrada. Suas descobertas foram mantidas em segredo até a década de 1970. O mistério inspirou documentários, livros e até filmes.

Entre as teorias mais bizarras, destaca-se o ataque de um yeti, um teste de uma arma secreta que deu errado, a queda de um resto de foguete e a presença de uma força física desconhecida que levou os caminhantes a se matarem.

A promotoria russa concluiu no ano passado que o grupo havia morrido em uma avalanche, mas não explicou como ela poderia ter ocorrido em uma montanha com inclinação rasa.

Os pesquisadores desenvolveram um modelo de análise de avalanche de placa de neve nas condições ambientais do local.

A análise sugere que os jovens cavaram uma superfície plana em uma frágil camada de neve para armar sua barraca. Durante a noite, o vento acumulou a neve em uma placa superior.

O estudo também simulou os ferimentos infligidos, levando em consideração que os jovens ficavam deitados enquanto dormiam, cercados por objetos. Seus resultados foram consistentes com os relatórios da autópsia.

Gaume admitiu à AFP "ter se sentido um detetive" com seu colega, mas insistiu no fato de que suas conclusões não pretendem resolver o mistério de Diatlov.

bur-klm-pcl/app/eg/ap