Um gêmeo na Terra e outro no espaço: o que revela estudo da Nasa

Um gêmeo na Terra e outro no espaço: o que revela estudo da Nasa
Um gêmeo na Terra e outro no espaço: o que revela estudo da Nasa
  • A NASA reuniu dez equipes de pesquisa para entender os riscos de voos espaciais no corpo humano;

  • Isso foi feito comparando gêmeos idênticos; um no espaço e outro em terra;

  • As descobertas do Twins Study podem ser usadas para desenvolver novos tratamentos e medidas preventivas

A NASA está mais perto de entender as mudanças sofridas pelo corpo humano exposto ao ambiente espacial. Isso porque um pioneiro estudo, que utiliza irmão gêmeos, entrou nos estágios finais de pesquisa.

O Twins Study reuniu dez equipes de pesquisa de todo o país para observar quais mudanças fisiológicas, moleculares e cognitivas podem acontecer a um ser humano devido à exposição a riscos de voos espaciais . Isso foi feito comparando o astronauta aposentado Scott Kelly enquanto ele estava no espaço, com seu irmão gêmeo idêntico, o astronauta aposentado Mark Kelly, que permaneceu na Terra.

Como gêmeos idênticos compartilham a mesma composição genética, os estudos com gêmeos fornecem uma maneira para os cientistas explorarem como nossa saúde é afetada pelo ambiente ao nosso redor, independentemente das variações físicas que ocorrem naturalmente entre a maioria de nós como indivíduos. Scott forneceu um caso de teste para medir no espaço e Mark forneceu um caso de teste de linha de base para comparar essas medições na Terra.

Através dos resultados obtidos no estudo, os pesquisadores descobriram que muitas das respostas de Scott, o gêmeo do espaço, retornaram aos níveis pré-voo no final do estudo. Estes incluíram respostas imunes, alterações epigenéticas, bactérias intestinais, peso corporal e metabólitos séricos. Alguns fatores foram afetados somente após o pouso. Estes incluem alguns indicadores de inflamação e resposta imune. Alguns fatores permaneceram alterados na conclusão do estudo.

Segundo a NASA, as descobertas do Twins Study podem ser usadas para desenvolver novos tratamentos e medidas preventivas para riscos à saúde relacionados ao estresse na Terra. Por exemplo, a análise que foi feita nos telômeros pode melhorar os esforços para mitigar os efeitos do envelhecimento e da doença. A pesquisa proteômica pode ter implicações para pesquisas sobre lesão cerebral traumática. A pesquisa em astronautas pode fornecer novos insights sobre como as mudanças no corpo estão relacionadas aos fatores de risco para doenças.