Um mercado neerlandês fixa os preços do gás para toda a Europa

Um mercado neerlandês fixa os preços do gás para toda a Europa

À medida que os preços do gás continuam a bater recordes em toda a Europa, todas as as atenções se voltam para TTF, a principal referência no continente.

TTF é a sigla que designa o Mecanismo de Transferência de Títulos, um mercado virtual neerlandês para comprar e vender gás, facturando em euros por megawatt-hora.

O centro reúne produtores nacionais e internacionais, empresas de armazenamento, distribuidores e operadores de redes da indústria do gás.

Criada em 2003, o TTF ganhou destaque à medida que o setor energético foi liberalizado e é hoje considerado o ponto de referência para monitorizar e compreender o mercado europeu do gás.

Os volumes comercializados na plataforma cresceram, exponencialmente, nas últimas duas décadas, representando mais de 14 vezes a quantidade de gás utilizada pelos Países Baixos, para fins domésticos.

O aumento do gás natural liquefeito (GNL) ajudou o TTF a ultrapassar largamente o Ponto de Equilíbrio Nacional (NBD), sedeado no Reino Unido, como o ponto de referência do gás do continente.

Preços especulativos

O TTF oferece duas opções principais aos negociantes: podem fazer negócios destinado a entrega imediata de gás, ou assinar os chamados contratos de futuros.

Ao abrigo de um contrato de futuros, o expedidor e o comprador acordam um preço, mas a entrega e o pagamento têm lugar numa fase posterior (por exemplo, no mês seguinte).

O acordo oferece maior segurança para as empresas e governos. No entanto, os contratos de futuros estão expostos à especulação do mercado.

Como regra geral, os agentes do mercado tendem a assumir o pior cenário possível nas suas negociações, a fim de estarem preparados para um resultado negativo.

No contexto da guerra da Ucrânia, aumentou muito a especulação sobre um corte iminente dos fluxos de gás russo, levando a preços recorde no TTF.

O comércio de futuros da semana passada fechou a 339 euros por megawatt-hora, um valor estratosférico em comparação com os 27 euros registados há um ano.

Os últimos comunicados da Gazprom, empresa estatal russa do setor, alimentaram os receios entre os comerciantes, que vêem os fluxos de gás russo diminuir a um ritmo perigoso.

Entretanto, os países da UE apressam-se armazenar gás antes do inverno, o que inevitavelmente fez subir ainda mais os preços.