Um milhão de americanos se vacinaram contra a covid-19

·3 minuto de leitura
A enfermeira e veterana do exército Renee Langone fala com o Dr. Pei-Chun McGregor da Força Aérea dos EUA (reservista do serviço ativo) antes de administrar a vacina da Moderna no West Roxbury VA Medical Center em Boston

Mais de um milhão de pessoas receberam a primeira dose de uma vacina contra a covid-19 nos Estados Unidos, disse nesta quarta-feira (23) o diretor dos Centros para o Controle e a Prevenção de Doenças (CDC), Robert Redfield, apesar de alguns atrasos no programa, enquanto especialistas preveem um retorno do país à normalidade no próximo verão boreal (junho-agosto).

"Os Estados Unidos alcançaram hoje um marco preliminar, mas importante: as jurisdições informaram que mais de um milhão de pessoas receberam a primeira dose da vacina contra a covid-19 desde que começou a administração, há dez dias", disse.

Em uma teleconferência com jornalistas, Moncef Slaoui, assessor-chefe da Operação Warp Speed do governo, disse que o objetivo de imunizar 20 milhões de pessoas neste mês era "improvável de ser alcançado".

Mas ele disse que os Estados Unidos ainda buscam chegar a 100 milhões de pessoas imunizadas até o final do primeiro trimestre de 2021, e outros 100 milhões no segundo trimestre.

Redfield pediu aos americanos que continuem respeitando o distanciamento social e o uso de máscaras até que todos os cidadãos do país tenham sido vacinados.

Enquanto isso, o vírus segue propagando-se no país: mais de 210.000 infecções foram registradas nesta quarta-feira nos Estados Unidos, o mais atingido do mundo pela pandemia com 325.000 mortos.

Duas vacinas, as da Pfizer-BioNTech e da Moderna, foram aprovadas até agora para distribuição pelas autoridades sanitárias dos Estados Unidos, que iniciaram a campanha de vacinação em 14 de dezembro.

- Imunidade de 70 a 85% -

Antohony Fauci, figura muito respeitada nos Estados Unidos na luta contra a covid-19, disse nesta quarta que se a operação para vacinar a população americana transcorrer sem problemas, o país poderá alcançar o nível de 70% a 85% de imunização no próximo verão.

"Quando a operação for realizada, haverá um guarda-chuva de proteção em todo o país", previu.

De acordo com o especialista, a população prioritária para ser vacinada, como os residentes de casas de repouso, os profissionais da saúde, os trabalhadores dos setores essenciais e as pessoas que pertencem aos grupos de risco deverão receber o imunizante até fim de março ou começo de abril.

"Poderia começar em abril o que chamo de 'temporada aberta' de vacinações, ou seja, quando qualquer pessoa que quiser ser vacinado poderá ser", declarou o ex-assessor da Casa Branca sobre o coronavírus, que retomará o cargo após a posse do presidente eleito Joe Biden.

- Doses adicionais -

Estas declarações chegam no mesmo dia que o Pentágono anunciou a compra de 100 milhões de doses adicionais da vacina Pfizer/BioNTech, que serão entregues em julho, o que eleva o total encomendado a 400 milhões de doses, metade da Pfizer, metade da Moderna.

Estas duas vacinas permitirão a imunização de 200 milhões de pessoas nos Estados Unidos, já que ambas precisam de duas doses.

"De acordo com os termos do acordo, a Pfizer entregará pelo menos 70 milhões de doses até 30 de junho de 2021 e o restante até 31 de julho ao mais tardar", informou o Departamento de Defesa em comunicado.

O acordo também dá ao governo americano a opção de compra de 400 milhões de doses adicionais da vacina da Pfizer, completou o Pentágono.

ia/ec/dga/mps/mvv/jc/am