Um século de fotografia em exposição na Zona Oeste do Rio

·2 minuto de leitura

Uma exposição em cartaz num shopping de Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, traça um painel da fotografia ao longo de um século, através dos equipamentos. A mostra é resultado da paixão do fotógrafo Helcio Peynado pelo ofício.

Ao longo dos anos ele foi adquirindo em antiquários e feiras ou ganhou câmeras fotográficas e acessórios, que hoje somam mais de 200. A mostra "Câmeras fotográficas - do filme ao digital" tem um pouco de tudo que foi criado nos últimos cem anos para facilitar a arte de transformar luz em imagem.

Helcio Peynado, que dá aulas de fotografia há 19 anos, contou que sentiu vontade de compartilhar com o publico esse seu amor pelas câmeras. Mas, como não conseguiu alugar expositores levou os equipamentos para o estúdo e os fotografou. Na exposição estão as imagens da maioria dos seus equipamentos e alguns poucos que ele conseguiu levar.

— Foi um trabalho grande, pois tive de criar harmonia entre as câmeras, juntar acessórios da época e cada foto tem sua característica própria. Há acessórios, cases, caixas, manuais e até nota fiscal e a exposição não comporta tanta foto nem temos expositores para mostrá-las.

Neste grupo, há fotos de câmeras digitais que já pararam de trabalhar e analógicas que até hoje estão intactas, tendo agora a dificuldade de encontrar os filmes e quem revele. Para compor a exposição fotográfica, foi colocado em dois expositores algumas câmeras do acervo devidamente legendadas para que as novas gerações conheçam como tudo começou e pessoas de mais idade lembrem das câmeras que talvez tenham usado na juventude.

A parte visual consta de 67 fotos. Para promover uma interação com o público, na sala há uma moldura e nela a pessoa poderá fazer sua foto, seu autorretrato, ou seu selfie, para usar um termo mais atual.

— Ver um shopping que assim como todos está com dificuldades pois com a pandemia muitas lojas foram fechadas, disponibilizar uma para a cultura é um alento, as pessoas precisam voltar a frequentar lugares que tenham cultura, é uma sala ampla, aberta e com certeza não haverá aglomeração e todas as providências foram tomadas para receber o público— disse o fotógrafo.

A exposição, que pode ser vista no 2º piso do Passeio Shopping, em Campo Grande, é gratuita.

Sem medo de voar

Uma outra exposição, intitulada"Sem medo de voar", segue em cartaz até esta quinta-feira no 2º piso do West Shopping, também em Campo Grande. Dela participam 11 artistas plásticos e artesãos da Zona Oeste, que criaram suas asas, todas de material reciclável.

Na montagem das peças foram usados rolos de papel higiênico, papéis, metais, tampinhas de garrafa, garrafas pet, sacos de café entre outros, que passam por transformação artística pelas mãos dos artesãos. Uma asa foi confeccionada por pacientes com transtorno mental que participaram de uma oficina, ministrado num Centro de Atenção Psicossocial da Prefeitura na Zona Oeste.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos