Umbandistas e católicos fazem ato conjunto e substituem imagem de São Jorge destruída a pedradas

RIO - Um dia depois de uma imagem de São Jorge ser destruída a pedradas em uma praça de Irajá, na Zona Norte do Rio, umbandistas e católicos uniram-se em um ato simbólico no local. Representantes da religião de matriz africana juntaram-se a fiéis da Igreja Nossa Senhora da Apresentação, situada no bairro, e saíram em defesa da liberdade de crença.

O ato começou com uma missa celebrada pelo bispo auxiliar Dom Catelan na noite desta terça-feira. Em seguida, o grupo partiu numa procissão de cerca de 300 metros até a Praça Ana Lima, conhecida como Praça do Chafariz, onde a imagem depredada ficava protegida por uma espécide de redoma de vidro.

— É muito importante que continuemos unidos contra o preconceito e a violência. O verdadeiro amor de Deus está nos nossos corações — ensinou o bispo.

O ato também contou com a participação do deputado estadual Átila Nunes (MDB), relator da CPI da Intolerância Religiosa na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), e do babalorixá Márcio de Jagun, responsável pela Coordenadoria Executiva da Diversidade Religiosa (Cedir) do município do Rio. Durante o evento, a praça ganhou uma nova imagem de São Jorge, doada pelo parlamentar.

— O ato foi verdadeiramente ecumênico, com a união de fiéis da Umbanda e do Candomblé. Com certeza a fúria do preconceituoso que destruiu a imagem está ligada ao espetáculo do carnaval deste ano, quando a religiosidade afrobrasileira foi valorizada com a consagração das suas divindades — afirmou Átila Nunes.

O Cedir encaminhou o caso à Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi). Agentes da especializada buscam imagens de câmeras de segurança instaladas por comerciantes e prédios da região para tentar identificar os responsáveis pelo ataque à imagem do Santo Guerreiro.

— Além da Praça do Chafariz, outra imagem de São Jorge foi destruída em um altar que fica na Freguesia, no último dia 20. Um ato como o que organizaram os umbandistas e católicos hoje mostra o quanto é importante a harmonia entre as crenças para a reconstrução do caminho da paz, tão sonhado pela humanidade — discursou Márcio de Jagun, coordenador do Cedir.

O ataque na Praça do Chafariz ocorreu dois dias depois da data em homenagem ao Santo Guerreiro, comemorada em 23 de abril. A representação havia sido colocada no local por iniciativa de moradores da região cerca de três anos antes.

Um vídeo que mostra o estrago da ação foi publicado pela página Irajá Notícias. Segundo o relato, que teria sido fornecido por testemunhas, um homem branco e careca, sem camisa, aproximou-se da imagem às 2h20 da manhã e a destruiu a pedradas. Velas e flores deixadas no local no Dia de São Jorge também foram vandalizadas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos