União Africana pede investigação sobre 23 imigrantes mortos ao tentarem entrar na Espanha

O presidente da Comissão da União Africana (UA) denunciou o tratamento “violento e degradante” dado a imigrantes africanos na sexta-feira, durante uma tentativa de cruzarem a fronteira entre o Marrocos e o enclave espanhol de Melilla, no Norte da África, e pediu uma investigação dos eventos. Enquanto as autoridades marroquinas dizem que 23 pessoas morreram, organizações não governamentais apontam que o número de mortes pode chegar a 37.

Tragédia humanitária: Mais de 4 mil migrantes morreram ou desapareceram a caminho da Espanha em 2021, estima ONG

Em 2021: Marrocos anuncia manobras com EUA em território disputado, mas Washington nega

“Expresso meu profundo choque e preocupação com o tratamento violento e degradante de imigrantes africanos que procuram cruzar uma fronteira internacional entre Marrocos e Espanha”, tuitou o chadiano Moussa Faki, que preside o organismo executivo da UA, na noite de domingo.

Ele continuou: “Peço uma investigação imediata sobre este assunto e lembro a todos os países de suas obrigações sob o direito internacional de tratarem os migrantes com dignidade e priorizar sua segurança e direitos humanos, limitando qualquer uso excessivo da força”.

Crise migratória em Ceuta: Conheça a história de refugiados que tentaram atravessar a fronteira com o Marrocos a nado

De acordo com a Associação Marroquina de Direitos Humanos (AMDH), de Nador, província no Nordeste de Marrocos, há uma preocupação com o encobrimento das mortes e com os corpos das vítimas, que podem ser enterrados sem investigação ou identificação pelas autoridades marroquinas.

Presidente espanhol elogia repressão policial

Enquanto se multiplicam os pedidos de investigação das mortes em Melilla, o governo espanhol agradeceu o Marrocos nesta segunda-feira pela “colaboração na defesa” de suas fronteiras.

O governo espanhol, sobretudo o primeiro-ministro Pedro Sánchez, tem defendido as ações dos policiais e responsabilizando as máfias de tráfico humano pelas mortes na fronteira hispano-marroquina.

— Se há um responsável por tudo o que parece ter acontecido naquela fronteira, são as máfias que traficam seres humanos — disse Sánchez em entrevista coletiva em Madri, no sábado.

Pelo menos 23 imigrantes foram mortos e 140 policiais ficaram feridos, segundo autoridades marroquinas da região. Este é o número mais mortal já registrado nas inúmeras tentativas de imigrantes subsaarianos de entrar em Melilla e no vizinho enclave espanhol de Ceuta, que constituem as únicas fronteiras terrestres da UE com o continente africano.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos