União avança em discussão de trem turístico entre BH e Brumadinho

MARCELO TOLEDO
·2 minuto de leitura

RIBEIRÃO PRETO, SP (FOLHAPRESS) - A discussão para a implantação do trem turístico entre Belo Horizonte e Brumadinho não é nova, mas ganhou um novo capítulo com a aprovação de um plano de ação em reunião de um fórum do Ministério do Turismo. A ideia é que o trem transporte até 1.400 pessoas por dia entre a capital e Brumadinho, tendo como destino Inhotim, importante centro de arte contemporânea na cidade mineira. A discussão ocorreu na primeira reunião do Mob-Tur (Fórum de Mobilidade e Conectividade Turística), do ministério, em que o plano de ação foi aprovado. A próxima etapa da discussão, de acordo com o Ministério do Turismo, é a criação de um grupo técnico e a realização de uma nova reunião, extraordinária. No grupo técnico, o ministério prevê mobilizar órgãos como o governo mineiro, a Vale —que opera os únicos trens regulares de passageiros no país–, a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes). O projeto do trem turístico prevê a revitalização de uma estação na capital mineira, próxima ao MAO (Museu de Artes e Ofícios), e a construção de outra estação em Inhotim. Para transportar os 1.400 passageiros diários, a previsão do ministério é a de que sejam utilizadas duas locomotivas, com dez carros de passageiros cada uma. O ministério não fala em custos. O trajeto entre Belo Horizonte e Brumadinho, de 52 quilômetros, deve ser feito em pouco mais de uma hora. Se o projeto de fato sair do campo das ideias, se somará a outros roteiros ferroviários existentes em Minas Gerais, como o que liga São João del-Rei a Tiradentes e o Trem da Serra da Mantiqueira. Há, ainda, o trem entre Ouro Preto e Mariana, operado pela Vale, que não retomou as atividades devido à pandemia do novo coronavírus.