União Europeia acusa Rússia de chantagem por anúncio de corte de gás a Polônia e Bulgária

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.11.2019 - O presidente russo, Vladimir Putin, durante reunião do Brics, no Palácio do Itamaraty, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.11.2019 - O presidente russo, Vladimir Putin, durante reunião do Brics, no Palácio do Itamaraty, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, reagiu ao anúncio de que a Rússia deixaria de fornecer gás a Polônia e Bulgária acusando Moscou de provocação e de usar o combustível como "um instrumento de chantagem".

"Isso é injustificado e inaceitável. E mostra mais uma vez a falta de confiabilidade da Rússia como fornecedora de gás", afirmou.

Segundo ela, a União Europeia já estava preparada para esse cenário e vai instaurar planos de contingência para que os países-membros do bloco ajam em "coordenação e solidariedade".

Entre as medidas anunciadas por Von der Leyen está o que ela chamou de garantias para que a decisão da companhia de energia russa Gazprom tenha o menor impacto possível sobre os consumidores europeus. Segundo a alemã, Polônia e Bulgária já estão recebendo gás de seus vizinhos dentro da própria UE, no que seria, nas palavras da presidente, uma demonstração de "imensa solidariedade".

O fornecimento de gás à Europa também ganha mais uma camada de contorno geopolítico porque, além de tentar reduzir a dependência da Rússia, a Comissão Europeia disse que parte da demanda do bloco será suprida pelos Estados Unidos já neste ano.

Von der Leyen também reforçou a intenção de fazer do impasse um gatilho para a implantação de fontes menos poluentes. "Apresentaremos nossos planos para acelerar a transição verde em meados de maio. Cara euro que investimos em energias renováveis e eficiência energética é um adiantamento para nossa futura independência energética."

Ainda segundo a alemã, há planos de convocar uma reunião com todos os ministros de Energia dos países-membros da UE --"o mais rapidamente possível"-- para definir os próximos passos do bloco.

"Hoje, o Kremlin falhou mais uma vez nessa tentativa de semear a divisão entre os europeus", afirmou Von der Leyen, também classificando de "movimento agressivo" a decisão da empresa russa. "A era dos combustíveis fósseis russos na Europa chegará ao fim."

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, negou as acusações de chantagem e manteve a posição de Moscou, inclusive a de impor a mesma medida usada contra Polônia e Bulgária a países que se recusarem a pagar pelo gás em rublos.

"A Rússia era e continua sendo uma fornecedora confiável de recursos energéticos para seus consumidores e continua comprometida com suas obrigações contratuais", disse.

Questionado acerca do número de países que concordaram em fazer o pagamento em rublos, Peskov evitou uma resposta assertiva. "Quando os prazos de pagamento se aproximarem, se alguns consumidores se recusarem a pagar sob o novo sistema, então o decreto do presidente será aplicado."

O porta-voz se refere à medida anunciada por Vladimir Putin no mês passado que determina que países que ele classifica de "hostis" teriam de abrir contas no Gazprombank para fazer os pagamentos pela importação do gás em euros ou dólares, que depois seriam convertidos em rublos.

Apenas alguns compradores, como a Hungria e a Uniper, principal importadora da Alemanha, disseram ser possível pagar pelo produto de acordo com nova regra sem que as sanções europeias sejam violadas.

Jornalistas em Moscou também perguntaram a Peskov se a Rússia está preparada para lidar com as possíveis quedas de receita em decorrência da recusa dos países em fazer pagamentos em rublos. "Tudo foi calculado, todos os riscos foram previstos, e as medidas necessárias, tomadas", afirmou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos