União Europeia apresenta sua primeira estratégia contra o antissemitismo

·2 minuto de leitura
O vice-presidente da Comissão Europeia encarregado de "proteger o modo de vida europeu", Margaritis Schinas, fala à imprensa ao chegar para uma reunião de emergência dos ministros do Interior da UE sobre o Afeganistão, em Bruxelas, em 31 de agosto de 2021 (AFP/François WALSCHAERTS)

A União Europeia apresentou nesta terça-feira (5) sua primeira estratégia de combate ao antissemitismo, que inclui o reforço da proteção das sinagogas, o combate às mensagens de ódio on-line e a promoção da transmissão da história da Shoah.

"Vimos durante a pandemia sucessivos bloqueios e um ressurgimento de antigos mitos de conspiração" e "uma explosão de conteúdo antissemita on-line", disse o vice-presidente da Comissão Europeia, Margaritis Schinas, em entrevista coletiva.

As publicações antissemitas em francês aumentaram sete vezes entre os primeiros dois meses de 2020 (antes da pandemia) e 2021, e as em alemão 13, de acordo com um estudo da Comissão.

"O antissemitismo continua não apenas um fardo do passado, mas também uma terrível ameaça na Europa hoje", disse o alto funcionário grego.

Ele citou, entre outros, os ataques contra a sinagoga de Halle na Alemanha em 2019, contra um supermercado kosher em Paris em 2015 e contra o museu judeu em Bruxelas em 2014.

Nove em cada dez judeus consideram que o antissemitismo aumentou em seu país, e 38% estão considerando emigrar porque não se sentem mais seguros na União Europeia, de acordo com a Agência dos Direitos Fundamentais da UE.

Foi isto que levou a Comissão Europeia a apresentar, pela primeira vez, uma estratégia especificamente dedicada à luta contra o antissemitismo, que há 20 anos se integra na luta contra o racismo.

Para combater as mensagens antissemitas na internet, a Comissão apoiará a criação de uma rede europeia de peritos e verificadores para remover conteúdos ilegais.

Também cooperará com empresas de internet para impedir a venda de símbolos ou propaganda nazista.

O Executivo da UE também planeja alocar 24 milhões de euros em 2022 para projetos para melhor proteger os locais de culto.

Também quer apoiar a criação de uma rede de "jovens embaixadores" para promover a conscientização sobre a Shoah, uma rede de lugares ligados à memória do Holocausto e a criação de um "centro de pesquisa sobre o antissemitismo e a vida judaica".

“Devemos reafirmar nossa ambição de liderar a luta global contra o antissemitismo”, que é “incompatível com tudo o que a União Europeia representa”, completou Schinas.

alm/fmi/meb/mb/gf/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos