União Europeia irá impor sanções contra 11 autoridades venezuelanas

Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, durante desfile em carro aberto 24/06/2018 Palácio Miraflores/Divulgação via REUTERS

LUXEMBURGO (Reuters) - A União Europeia irá impor sanções econômicas contra 11 autoridades venezuelanas em protesto pela reeleição do presidente Nicolás Maduro em uma votação que o bloco considerou não ter sido livre ou justa, informaram diplomatas da UE.

As proibições de viagem e congelamento de bens, reportadas primeiro pela Reuters em maio, se somarão a medidas impostas contra outras sete autoridades graduadas da Venezuela que o bloco sancionou em janeiro.

As sanções não atingem Maduro diretamente, porque a União Europeia tenta pressionar aqueles ao seu redor primeiro.

O bloco, o terceiro maior parceiro comercial da Venezuela depois dos Estados Unidos e da China, está tentando isolar Caracas e ajudar a pôr fim ao que vê como um regime autoritário que está arruinando a economia do país e provocando a escassez de alimentos.

A União Europeia impôs um embargo de armas contra a Venezuela em novembro.

Também acredita-se que ministros de Relações Exteriores da UE irão emitir um comunicado ainda nesta segunda-feira condenando a eleição de maio na Venezuela.

(Reportagem de Robin Emmott)