União Química solicita à Anvisa autorização emergencial para Sputnik V

O Globo
·2 minuto de leitura
Foto: Mohammed ABED / AFP via Getty Images
Foto: Mohammed ABED / AFP via Getty Images
  • Solicitação enviada, de acordo com a agência, tem prazo de análise de sete dias úteis

  • Governo brasileiro tem contrato para aquisição de 10 milhões de doses do imunizante

  • Consórcio Nordeste, que reúne governadores da região, acertou compra de 37 milhões de doses

A União Química enviou à Agência Nacional de Vigilância Sanitária, na madrugada desta sexta-feira, o pedido de autorização emergencial de uso para a vacina contra Covid-19 Sputnik V.

De acordo com a Anvisa, a solicitação enviada nesta sexta-feira é um novo pedido, de modo que a solicitação feita no dia 15 de janeiro será cancelada. O prazo para análise do pedido pela agência é de sete dias úteis.

Leia também:

O governo brasileiro tem um contrato com a União Química para aquisição de 10 milhões de doses da Sputnik V. Além disso, o Consórcio Nordeste, que reúne governadores dessa região do país, tem um contrato com o Fundo Russo para aquisição de 37 milhões de doses do imunizante contra a Covid-19.

Segundo a Anvisa, as primeiras 24 horas serão usadas para fazer uma triagem da documentação enviada. Caso haja documentação faltante, no entanto, o prazo de sete dias úteis para análise para de correr até que a farmacêutica forneça os novos documentos. Diferentemente do registro definitivo, que é dado pela área técnica da Anvisa, a autorização emergencial e uso é concedida pela diretoria colegiada da agência.

"A análise do pedido de uso emergencial é feita por uma equipe multidisciplinar, envolve especialistas das áreas de registro, monitoramento e inspeção. A equipe vem atuando de forma integrada, com as ações otimizadas e acompanhadas pela Comissão que envolve três diretorias da Agência", explica a Anvisa.

A União Química já havia tentado solicitar a autorização emergencial de uso à Anvisa, mas o processo acabou estacionado devido à falta de dados considerados cruciais pela agência. Desde então foram realizadas pelo menos 15 reuniões entre a farmacêutica e a Anvisa para alinhar a submissão do pedido.