Unicef: jovens estão menos otimistas, mas acreditam mais na educação

·4 min de leitura

Adolescentes e jovens brasileiros (de 15 a 24 anos) estão menos otimistas sobre o futuro do que as pessoas da mesma faixa etária de outros 20 países pesquisados - o otimismo dos adolescentes e jovens brasileiros é o segundo mais baixo, atrás apenas de Mali, país da África. No entanto, o grupo brasileiro acredita mais no poder da educação para mudar a realidade. Os dados, divulgados hoje (17), são da pesquisa The Changing Childhood Project, do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e da Gallup.

Nos 21 países analisados (incluindo o Brasil), adolescentes e jovens, na média, mostraram-se mais propensos do que os adultos a acreditar em um futuro melhor. Ao serem perguntados se o mundo está se tornando um lugar melhor para cada nova geração, 57% deles disseram que sim, ante 39% dos adultos.

Já no Brasil, o índice de otimismo foi o segundo mais baixo, atrás apenas do Mali. Somente 31% dos adolescentes e jovens brasileiros e 19% dos adultos disseram acreditar que o mundo está melhorando.

De acordo com o Unicef, todas as entrevistas foram realizadas de fevereiro a junho de 2021, durante a pandemia de covid-19. No Brasil, a pesquisa ocorreu de 23 de fevereiro a 17 de abril, no período mais grave da pandemia no país.

“Não faltam motivos para o pessimismo no mundo de hoje: mudança climática, pandemia, pobreza e desigualdade, aumento da desconfiança e crescimento do nacionalismo”, disse a diretora executiva do Unicef, Henrietta Fore. “Em comparação com as gerações mais velhas, adolescentes e jovens do mundo permanecem esperançosos, com uma mentalidade muito mais global e determinados a tornar o mundo um lugar melhor”.

Educação

A pesquisa mostra que os adolescentes e jovens, na média dos países analisados, acreditam que a própria infância foi melhor do que a de seus pais. Eles afirmaram na pesquisa que as crianças e adolescentes de hoje têm mais acesso a saúde, educação e proteção contra a violência do que as gerações anteriores.

De acordo com o Unicef, os brasileiros estão entre os que mais acreditam que a qualidade da educação melhorou na última geração. O Brasil é, também, o segundo país que mais acredita no poder da educação para a transformação social. Mais da metade dos adolescentes e jovens brasileiros (59%) e dois terços dos adultos (74%) citam a educação como o principal fator para o sucesso – versus 36% e 34%, respectivamente, na média dos 21 países.

Saúde mental

Nos países pesquisados, adolescentes e jovens relataram uma maior incidência de problemas de saúde mental em comparação aos adultos: 36% disseram se sentir frequentemente nervosos, preocupados ou ansiosos; e 19%, deprimidos ou com pouca vontade de realizar atividades cotidianas. Já os adultos, os resultados foram 30% e 15%, respectivamente.

No Brasil, esses indicadores são significativamente mais altos: 48% dos adolescentes e jovens declararam se sentir frequentemente nervosos, preocupados ou ansiosos, e 22% disseram se sentir muitas vezes deprimidos ou com pouca vontade de realizar atividades cotidianas, ante 39% e 11% respectivamente dos adultos.

Participação na política

Na média dos 21 países, 58% dos adolescentes e jovens disseram ser muito importante os políticos escutarem adolescentes e jovens para tomar decisões. O resultado do Brasil ficou acima da média, com 61% dos adolescentes e jovens respondendo positivamente a essa questão.

“Depois da ruptura mais longa da educação presencial nas escolas devido à covid-19, e considerando o aumento do trabalho infantil, da violência doméstica e da pobreza, é encorajante ver que os adolescentes e jovens do Brasil querem se engajar por um futuro melhor”, ressaltou a representante do Unicef no Brasil, Florence Bauer.

Confiança na ciência e nos governos

A pesquisa mostra também que adolescentes e jovens confiam mais do que os adultos nos cientistas (56% versus 50%), e nos governos (33% versus 27%) como fontes de informação segura. No Brasil, esses resultados foram (58% versus 51%) e (14% versus 23%), respectivamente.

A pesquisa foi feita com aproximadamente 21 mil adolescentes, jovens e adultos nos 21 países. Os países pesquisados foram Alemanha, Argentina, Bangladesh, Brasil, Camarões, Espanha, Etiópia, EUA, França, Índia, Indonésia, Japão, Líbano, Mali, Marrocos, Nigéria, Peru, Quênia, Reino Unido, Ucrânia e Zimbábue.

O conteúdo completo da pesquisa pode ser acessado em https://changingchildhood.unicef.org

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos