Universidades particulares do Rio estão apostando em aulas online para não paralisarem atividades

Patricia Valle
PUC-Rio: com aulas suspensas, universidades utilizam métodos online

Com o decreto que proibiu as aulas do ensino básico e superior no Rio de Janeiro por 15 dias, as universidades privadas estão elaborando maneiras de continuar com o calendário letivo de forma online. Universidades como PUC, FGV, Ibmec, Anhanguera, Estácio e UVA estão elaborando um modelo de adaptação dos cursos de graduação e pós-graduação presenciais para o ambiente online para não atrapalharem o calendário acadêmico. As aulas começam na próxima segunda-feira (dia 23) e professores estão sendo treinados. Algumas unidades preveem inclusive a possibilidade de terminar o semestre dessa forma.

Segundo as instituições, as medidas estão em linha com a portaria do Ministério da Educação (MEC) que autorizou a substituição de disciplinas presenciais por aulas que utilizem meios digitais por 30 dias. O desafio está sendo fazer a adaptação de cursos que não estavam planejados para ocorrer desta forma.

— Fomos pegos de surpresa pela rapidez com que isso aconteceu. O MEC nos solicitou suspender as aulas ou usar um modelo online. Entendemos que a suspensão das aulas seria muito prejudicial para os alunos. Por isso, apesar de sabermos que não será fácil, abraçamos o desafio de fazer aulas virtuais— conta Daniela Vargas, coordenadora central de Graduação da Pontifícia Universidade Católica (PUC). 

A universidade irá utilizar sua plataforma de ensino e também fez uma parceria com a empresa de vídeo conferência Zoom para transmitir aulas. Os professores estão recebendo capacitação técnica e alunos com condições especiais e bolsistas estão sendo monitorados para saber que tipo de ajuda podem precisar. O plano inclui a possibilidade do semestre ser finalizado dessa forma.

— Estamos vendo em outros países as faculdades parando as aulas presenciais por muito tempo. A possibilidade de isso acontecer aqui é grande e estamos nos preparando — afirma Daniela Vargas. 

Mesmo as instituições que possuem ambiente de aprendizado online têm desafios para fazer a adaptação das aulas presenciais para a realidade atual. A Universidade Veiga de Almeida (UVA) prepara um cronograma caso as aulas precisem continuar a distância ao longo do semestre.

— Não é exatamente disponibilizar aulas online como um modelo EAD, que tem uma metodologia específica. Faremos aulas ao vivo, com os professores respondendo às perguntas. Mesmo disciplinas práticas estão sendo adaptadas e estamos aproveitando para ajudar a sociedade neste momento. Por exemplo, na enfermagem, o atendimento telefônico para tirar dúvidas de pacientes — afirma Beatriz Balena, reitora da Universidade Veiga de Almeida. 

O Ibmec Rio também apostará em aulas ao vivo nesse período de quarentena, tanto para a graduação, quanto para a pós-graduação.

— As aulas serão on-line e ao vivo, dentro da plataforma de comunicação que o Ibmec já utiliza. Fizemos uma adaptação para a nova realidade e a partir da próxima segunda nossos professores vão usar a plataforma para as aulas regulares também. Isso nos permitirá o pleno cumprimento do calendário acadêmico e da proposta pedagógica de cada curso — diz Marcelo Lourenço, reitor do Ibmec Rio. 

Outras faculdades estão se utilizando de sua expertise em Ensino a Distância (EAD) para dar continuidade ao semestre letivo.

— A partir de segunda, todos os nossos alunos da modalidade presencial terão suas aulas, com os mesmos professores que vinham ministrando presencialmente as disciplinas, agora com suporte de plataformas digitais, com vídeo, chat, repositório de arquivos e outros recursos. As aulas podem ser acompanhadas ao vivo, e ficarão gravadas para quem faltou. O currículo e os conteúdos são exatamente os mesmos. Estimamos ministrar quase 15 mil aulas por semana para atender aos nossos 300 mil alunos da modalidade presencial — afirma Adriano Pistore, vice-presidente de Operações Presenciais da Estácio.

A Anhanguera, do grupo Kroton, está usando a sua plataforma de EAD para alunos presenciais, mas com um conteúdo específico, feito pelo próprio professor da disciplina. 

— A Anhanguera está dando ênfase ao uso do seu Ambiente Virtual de Aprendizagem, que já faz parte do dia a dia dos alunos dos cursos presenciais, em seu modelo acadêmico. Os professores do presencial continuarão em contato direto com as suas turmas, disponibilizando o material didático no horário da aula, publicando vídeo-aulas e interagindo com os alunos por meio das ferramentas de comunicação da plataforma — diz Marcos Lemos, vice-Presidente Acadêmico da Kroton. 

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o WhatsApp do Extra (21 99644 1263)