Universidades de SP têm protocolos contra aglomeração em vestibulares presenciais nesta semana

O Globo
·3 minuto de leitura
Antonio Scarpinetti / Unicamp

SÃO PAULO - Duas das principais universidades do estado de São Paulo realizam nesta semana os seus vestibulares, que, em meio a pandemia, exigiram das bancas novos protocolos para evitar a propagação do coronavírus durante os exames, que continuaram presenciais. A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) começou nesta quarta-feira (6) suas provas, que se estendem para a quinta (7). Já a Fuvest, responsável pelo ingresso na Universidade de São Paulo (USP), terá a primeira fase de testes no domingo (10).

Para evitar aglomeração, a Unicamp espalhou os 77.653 mil inscritos em dois dias de prova, em vez de um, na primeira fase, como era o habitual. Também há um número recorde de salas para aplicação dos exames, 3.381 em 62 escolas, tudo para evitar proximidade entre os concorrentes e os funcionários. A quantidade é 125% maior em comparação com o último ano.

Com esse novo esquema, nesta quarta, a instituição testa os 34 mil inscritos das áreas de ciências exatas/tecnológicas e ciências humanas. Já na quinta, será a vez dos 43 mil candidatos dos cursos das áreas de ciências biológicas/saúde fazerem a primeira fase do vestibular. A segunda fase está marcada para os dias 7 e 8 de fevereiro.

Foram disponibilizados, segundo a organização, 2 mil litros de álcool em gel. Para os fiscais e profissionais de apoio, foram compradas 25 mil máscaras, como contou José Alves de Freitas Neto, diretor da comissão organizadora (Comvest), em entrevista ao G1.

Sem 'torcida'

Ainda para evitar a Covid-19, a Unicamp orientou que estudantes com suspeita da doença não compareçam. Há ainda um apelo para que cursinhos pré-vestibulares não promovam atividades na entrada dos locais de prova e para que a "torcida" presencial de pais e amigos seja minimizada.

Apesar dos cuidados previstos, houve momentos de aglomeração na entrada dos candidatos, como informou o G1. A Comvest, em nota, admitiu "um pouco de concentração de pessoas antes dos portões se abrirem", mas avaliou que, logo depois da abertura, o movimento fluiu e não foi registrado nenhum incidente. Uma fiscal foi flagrada sem máscara, apenas com um face shield, pela reportagem do portal. A situação será avaliada e comentada posteriormente, segundo a comissão.

Outra novidade desta edição na Unicamp, que oferece 3.237 vagas distribuídas em 69 cursos de graduação, é o percentual mais alto já registrado em seus vestibulares de alunos oriundos de escolas públicas. São 34,2% do total, o que corresponde a 26.557 mil candidatos.

Fuvest

Para a seleção da USP, cuja primeira fase acontece neste domingo, também há mudanças nas salas. Elas terão ocupação máxima de 40%, e as mesas poderão ser limpas pelos candidatos com um sachê de álcool 70% que a Fuvest oferecerá para cada um deles.

A organização manterá distância mínima de 1,5 metro entre as carteiras, e pede que os estudantes, ao se movimentaram na chegada e na saída também respeitem esse limite.

Assim como na Unicamp, a orientação é que pessoas com suspeita de Covid-19 não façam as provas. Os protocolos preveem ainda que quem tiver diagnóstico confirmado da doença a partir de 1º de janeiro ou tiver mantido contato com alguém que testou positivo a partir dessa mesma data também não vá.