Universidades vão ao Cade por veterinário formado em curso a distância

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Diante do crescimento do mercado de animais de estimação na pandemia, instituições de ensino superior a distância pressionam para conseguir um espaço na formação da mão de obra.

Elas questionam a proibição do CFMV (Conselho Federal de Medicina Veterinária) ao registro de profissionais formados em cursos a distância.

O assunto foi levado ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) pela Associação Nacional das Universidades, que diz ver impacto negativo da medida na atividade das faculdades.

O Cade determinou a abertura de procedimento para apurar a situação.

Segundo o advogado Henderson Fürst, presidente da Comissão Especial de Bioética da OAB-SP, a associação reclama da perda de alunos pela falta do registro.

"Conforme a representação, o conselho de medicina veterinária não estaria respeitando resolução do MEC e quando faz isso impacta na atividade econômica da empresa", diz o advogado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos