Universitária que fez posts racistas é indiciada pela polícia do RS

Posts racistas geraram indiciamento de universitária (Getty Images)
Posts racistas geraram indiciamento de universitária (Getty Images)

A Polícia Civil indiciou nesta quarta-feira (25) uma estudante de 21 anos da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no Rio Grande do Sul, por racismo. Segundo as investigações, a jovem é autora de publicações de cunho racista em uma rede social na internet.

"A investigada postou em seu perfil em uma rede social manifestações de cunho racista como: 'eu tenho pavor de conviver com pessoas escuras, eles têm um complexo de inferioridade muito forte em relação às pessoas brancas'", disse a delegada Débora Dias, responsável pelo caso.

A suspeita, identificada como Maria Eugênia Riboli Corrêa, estuda no Centro de Artes e Letras (CAL) o curso de artes cênicas. Segundo o g1, pela acusação envolver uma estudante de uma universidade federal contra colegas da instituição, a investigação foi aberta pela Polícia Federal (PF).

No entanto, como as ofensas não causaram dano à universidade nem teriam sido cometidos por um servidor federal, a Polícia Civil assumiu o caso.

Segundo o g1, a Delegacia de Proteção ao Idoso e Combate à Intolerância (DPICOI) apurou que a mensagem racista foi publicada no dia 10 de maio e já foi apagada.

O inquérito foi remetido ao Poder Judiciário e aguarda avaliação do Ministério Público (MP), que pode ou não oferecer denúncia à Justiça. Se for condenada, poderá cumprir pena de prisão de até três anos e pagar multa.

Entenda o caso

Segundo as investigações, Maria Eugênia Riboli Corrêa, do curso de artes cênicas, escreveu nas redes sociais que tinha "pavor de conviver com pessoas escuras" na sala de aula. As reproduções das publicações foram encaminhadas pela Polícia Federal, que recebeu inicialmente a ocorrência, à Polícia Civil, agora responsável pelo inquérito.

"Tenho pavor de conviver com pessoas escuras, eles devem ter complexo de inferioridade muito forte em relação às pessoas brancas", diz trecho da postagem da aluna. Procurada, a universitária não respondeu aos pedidos de entrevista da reportagem. A reitoria não soube informar se ela tem advogado.

Em outra parte da publicação, a aluna afirmou que, "se os brancos não podem se apropriar da cultura dos pretos, os pretos também não deveriam se apropriar da cultura branca", acrescentando que "praticamente todas as coisas que existem foram inventadas por pessoas brancas". Escreveu ainda não gostar "de gente preta mesmo".

A estudante foi afastada por 60 dias pela UFSM, segundo a instituição, para que não haja risco para a integridade física ou psicológica dela ou dos colegas.

O reitor da UFSM, Luciano Schuch, diz ter tomado conhecimento do caso por um ativista do movimento negro de Santa Maria, que o alertou sobre as mensagens da aluna contra colegas de curso. Reproduções dos posts viralizaram na internet, cobrando uma atitude da instituição.

Segundo Schuch, esse é o sétimo caso de racismo na instituição nos últimos seis anos, mas o primeiro em que existe uma autoria comprovada no momento em que o estudante ainda está ligado à instituição. "Dessa vez, existe autoria e materialidade. Os outros casos foram tão covardes que não foi possível identificar os autores a tempo [de a universidade punir]", afirmou o reitor.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos