Urnas eletrônicas: entenda o que é e como funciona a fiscalização do código-fonte

Entenda o que é e como funciona a fiscalização do código-fonte das urnas eletrônicas (Agência Brasil)
Entenda o que é e como funciona a fiscalização do código-fonte das urnas eletrônicas (Agência Brasil)

Comprova explica: O código-fonte das urnas eletrônicas é a linguagem de computador em que os aparelhos são programados. Para garantir que não haja nenhuma falha de operação nas urnas, o código-fonte pode ser fiscalizado por entidades que fazem parte da Comissão de Transparência das Eleições (CTE), como as Forças Armadas. Para as eleições deste ano, as entidades foram avisadas, por meio de ofício em 2021, pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) dos prazos. Mesmo a inspeção estando aberta desde outubro do ano passado, as Forças Armadas só realizaram a solicitação em 1° de agosto deste ano. O pedido, classificado como “urgentíssimo” pelo Ministério da Defesa, foi interpretado por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro como uma forma de pressão sobre o TSE e ensejou debate sobre o processo de inspeção.

Conteúdo analisado: Post da deputada federal Carla Zambelli (PL-SP) em que ela comenta sobre o pedido do Ministério da Defesa ao TSE para inspeção do código-fonte das urnas eletrônicas em caráter “urgentíssimo”.

Veja como foram as últimas pesquisas eleitorais de 2022:

Comprova Explica: A dois meses das eleições presidenciais, a segurança das urnas eletrônicas é alvo frequente de críticas e questionamentos. Uma das formas de comprovar a lisura dos aparelhos é por meio da inspeção do código-fonte, que pode ser realizada por entidades da sociedade civil e partidos políticos meses antes do pleito. O tema vem sendo debatido nas redes sociais uma vez que o prazo para realizar a fiscalização, que começou em outubro de 2021, se encerra em setembro.

Conteúdo analisado por: Piauí, Estadão, Folha de S.Paulo, Imirante, Zero Hora, CNN Brasil, Correio, A Gazeta, SBT, SBT News, Diário do Nordest e O Dia