Uruguai desestimula viagens à Argentina, que abre suas fronteiras a vizinhos

·1 minuto de leitura
Presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, em Montevidéu, em 22 de outubro de 2020
Presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, em Montevidéu, em 22 de outubro de 2020

Em meio à escalada dos casos de covid-19, o governo uruguaio apresentou medidas para estimular o turismo interno e desestimular viagens à Argentina, que nesta sexta-feira abre fronteiras para visitantes de países vizinhos em face da temporada de verão. 

“Vale mesmo a pena (viajar para a Argentina)?”, questionou o secretário da presidência, Álvaro Delgado, em coletiva de imprensa na noite de quinta-feira, que juntamente com o os ministros do Turismo e da Economia, apresentou medidas para incentivar o turismo doméstico. 

O governo argentino decidiu há dias abrir as fronteiras aos turistas dos países vizinhos - Chile, Paraguai, Brasil e Uruguai - para melhorar a economia de um setor atingido pela pandemia do coronavírus. 

A partir das 00h00 desta sexta-feira, estão habilitadas as viagens aéreas (através do aeroporto internacional de Ezeiza) e marítimas (porto de Buenos Aires), onde se espera que em princípio chegue um maciço "turismo de compras" para aproveitar o alto valor do dólar na Argentina. 

O secretário da presidência lembrou que todo cidadão que viajar para a Argentina no retorno deverá levar dois cotonetes, às suas custas, além de ficar em estrito confinamento por sete dias. 

O Uruguai, de 3,4 milhões de habitantes, tem sido elogiado pelo sucesso no controle da pandemia, sem nunca ter decretado a quarentena geral obrigatória. 

Atualmente, registra 3.044 casos e 57 mortes pelo vírus. No entanto, nas últimas semanas, o país viu uma escalada de infecções diárias por covid-19. 

O recorde de 65 novos casos em um dia foi alcançado, quando em meados de junho havia 0 casos por vários dias consecutivos.

gv/gma/cc