Uruguaias vítimas de torturas sexuais na ditadura pedem justiça perante CIDH

·2 minuto de leitura
(Arquivo) Em 2011, 28 mulheres entraram com uma ação criminal na justiça uruguaia por violência sexual e estupro

Um grupo de ex-presas políticas uruguaias que denunciam ter sido vítimas de tortura sexual durante a ditadura em seu país (1973-1985) apresentou seu caso à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) nesta quinta-feira (18).

Em 2011, as 28 mulheres entraram com uma ação criminal na justiça uruguaia por violência sexual e estupro contra mais de 100 agressores, a maioria deles militares, no contexto do período de fato.

No entanto, diante do que consideram um andamento quase nulo no processo de dez anos, o grupo apresentou seu caso em audiência pública na CIDH, realizada por videoconferência, e da qual também participaram representantes do Centro pela Justiça e Direito Internacional (Cejil) e do Estado uruguaio.

"Denunciamos mais de 100 pessoas: oficiais, médicos, psicólogos, militares, e apenas um deles foi processado, não por tortura e violência sexual, o que confessou no âmbito do processo, mas por reiterados crimes de privação de liberdade", ressaltou Jacqueline Gurruchaga, uma das denunciantes.

María Noel Leoni, da Cejil, destacou que em 2011 o Uruguai anulou a lei de anistia para os crimes da ditadura, conhecida como Lei da Caducidade, mas "na verdade a justiça ainda não está acessível".

"Segundo a sociedade civil, mais de 70% dos cerca de 200 processos ativos estão em estágio inicial, incluindo este caso. Há condenações em apenas cerca de 14 processos e contra cerca de 30 pessoas. E há pedidos de processamento sem tramitação contra mais de 60 investigados", resumiu.

"Como em outros lugares, no Uruguai a violência sexual também foi uma arma de guerra do Estado para humilhar, punir e violar os presos políticos", afirmou.

Por sua vez, Marina Sande, diretora de Direitos Humanos do Ministério das Relações Exteriores do Uruguai, destacou a importância da audiência "para a realização da justiça" e destacou que "o Estado uruguaio reconhece, condena e repudia os crimes atrozes e aberrantes, e abusos cometidos durante o período ditatorial".

"Nosso país quer estabelecer sua compreensão e solidariedade para com as vítimas, reconhecendo a enorme dor e sofrimento que lhes foram causados".

De acordo com Sande, "o Uruguai realizou e continua fazendo todos os esforços para fazer justiça e condenar os autores de crimes tão terríveis".

No entanto, a diretora reconheceu a lentidão do processo.

"Estamos cientes das deficiências de que nosso sistema judicial sofre".

Porém, destacou que "o respeito às normas e procedimentos é o que provoca os atrasos (...) que muitas vezes são utilizados de forma demorada pela defesa dos acusados".

Até o momento, nenhum dos mais de 100 investigados foi condenado por essa causa.

gv/yo/bn/mvv