'Usaram um negro para vir em cima de mim', diz Carla Zambelli após suposta agressão de militantes petistas; vídeos

A deputada federal reeleita Carla Zambelli (PL-SP), apoiadora do presidente Jair Bolsonaro (PL), publicou nas suas redes sociais um relato explicando o episódio, ocorrido na tarde deste sábado, em que sacou uma arma nos Jardins, bairro nobre de São Paulo. Segundo contou, momentos antes ela foi vítima de uma suposta agressão de militantes petistas.

Vídeo: Carla Zambelli saca arma e aponta para homem nos Jardins, em SP; assista ao vídeo

'Já vai tarde': Na véspera do segundo turno, Barroso dá dica de música da semana

Na gravação, Zambelli aparece acompanhada de policiais militares que fazem o boletim de ocorrência:

— Fui agredida agora pouco. Me empurraram no chão, um homem negro. Eles usaram um negro para vir em cima de mim, eram vários — relatou a parlamentar.

O caso aconteceu no cruzamento das alamedas Lorena e Joaquim Eugênio Lima, região próxima de onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) realiza um ato de campanha. De acordo com Zambelli, ela deixava um restaurante quando foi abordada por um grupo de homens:

— Eles tinham visto a gente antes (...) vários homens se aproximaram. Eles me empurraram, me machucaram, me derrubaram no chão, me chamaram de prostituta — diz a deputada federal, enquanto pessoas ao seu redor afirmam que os supostos agressores gritavam 'É Lula, É Lula'.

Segundo ela, todos "se evadiram". Ela chegou a ir atrás de um dos agressores e sacou uma arma. Zambelli afirma ter alcançado o homem dentro de um bar e pedido para ele esperar a polícia, que daria o flagrante. Dentro do estabelecimento, o homem teria gravado um pedido de desculpas.

— Acabamos de filmar o pedido, falei tá bom: pode ir. Ele começou a fazer de novo. Só que aí o pessoal tirou ele. Eram vários que estavam com ele, a gente já está com a chapa do carros. Estamos com todas as informações e vamos passar para a Polícia Militar. — completa Zambeli afirmando ainda ter recebido ameaças de morte.