Após saída de islamitas, cidade em Ghouta Oriental é controlada pelo Exército

Cairo, 24 mar (EFE).- A cidade de Harasta, em Ghouta Oriental, foi declarada "livre de terroristas" depois que na noite de sexta-feira saísse da região a segunda rodada de evacuados rumo ao noroeste da Síria, em virtude de um acordo entre as autoridades e o grupo Movimento Islâmico dos Livres de Sham.

A agência oficial de notícias sírias "SANA" informou que ontem à noite saiu de Harasta o último comboio de ônibus com combatentes e as suas famílias, que antes de abandonar o local entregaram suas armas pesadas, e seguiram para a província de Idlib, no noroeste da Síria.

A "SANA" especificou que 3.034 pessoas foram evacuadas, entre elas 1.072 homens armados, que se somam ao primeiro grupo que deixou Harasta o dia anterior, composto por 1.580 pessoas, das que 413 eram combatentes.

A agência acrescentou que após a saída dos combatentes, unidades do Exército sírio libertaram 13 "sequestrados" que permaneciam presos no interior de Harasta.

Por sua vez, o Observatório Sírio de Direitos Humanos informou que o último grupo de evacuados chegou hoje na cidade de Qalaat al-Madiq na província central de Hama, de onde prosseguirá até a vizinha Idlib, dominada quase totalmente pela aliança da ex-filial síria da Al Qaeda.

Essa última rodada é integrada por mais de 3,2 mil pessoas, incluindo centenas de combatentes islamitas e seus parentes, além de outros civis que rejeitaram o acordo com as autoridades e optaram por deixar a cidade.

A ONG destacou que um total de 4,7 mil pessoas deixaram Harasta nos últimos dois dias, das quais 1,3 mil eram combatentes e cerca de 2,5 mil mulheres e crianças.

Além disso, o Observatório destacou que após a evacuação do último grupo de homens armados, os também chamados Livres de Sham já não estão mais em Ghouta Oriental.

Desta forma, o Exército sírio assumiu o controle de 90% do território da região, considerada o principal reduto opositor nos arredores de Damasco. EFE