USP aprova saída do Sisu e cria sistema próprio para usar nota do Enem

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 26.03.2021 - Praça do Relógio, na Cidade Universitária. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 26.03.2021 - Praça do Relógio, na Cidade Universitária. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A USP (Universidade de São Paulo) decidiu nesta quinta-feira (10) que não irá ofertar mais vagas de graduação pelo Sisu (Sistema de Seleção Unificada), do Ministério da Educação. A universidade aprovou ainda a criação de um sistema próprio para continuar aceitando o Enem como forma de seleção.

Assim, os ingressantes do próximo ano serão convocados diretamente pela Fuvest a partir das notas que obtiverem nas provas do Enem. A universidade decidiu chamar a nova forma de ingresso de Enem-USP.

Segundo o Conselho de Graduação, que propôs a alteração, o objetivo é possibilitar que os candidatos aprovados via Enem efetuem a matrícula juntamente com quem foi aprovado pela Fuvest.

O calendário do Sisu é diferente do usado pela USP, e muitos alunos acabavam perdendo as primeiras semanas de aula. A Folha mostrou que outras universidades do país também estão abandonando o sistema federal.

Em 2018, o Sisu reunia 239 mil vagas, quase 20 mil a mais do que em 2022 (foram disponibilizadas 221 mil vagas no 1º semestre deste ano).

Além de sincronizar o calendário letivo, a USP diz que a mudança irá contribuir para que todos os alunos que ingressem por cotas raciais passem pelas comissões de heteroidentificação --que serão responsáveis pela averiguação da autodeclaração dos convocados para matrícula nas vagas reservadas para pretos e pardo.

Para continuar utilizando as notas do Enem como forma de seleção, a Fuvest será responsável por classificar os candidatos de acordo com seu desempenho no exame.

"O objetivo do novo sistema é agilizar o processo de integração e inclusão dos novos alunos, de tal sorte que todos comecem as atividades acadêmicas ao mesmo tempo, reforçando junto a eles o sentimento de pertencimento à universidade", disse o pró-reitor de graduação, Aluísio Segurado.

A USP aderiu ao Sisu em 2016, ofertando apenas parte de suas vagas pelo sistema federal.

Neste ano, a universidade oferece 11.147 vagas em seus cursos de graduação, das quais 8.211 são destinadas para seleção pelo vestibular da Fuvest e 2.936 vagas para o Enem-USP.

Do total de vagas oferecidas pela Fuvest, 2.169 vagas são reservadas para alunos oriundos de escola pública e 1.088 são para candidatos que estudaram na rede pública e se autodeclaram pretos, pardos e indígenas.

Para a seleção do Enem-USP, serão destinadas 1.237 vagas para estudantes de escola pública e 1.093 para as cotas raciais.