'Vê se dá o atestado pra gente levar o corpinho', pediu Jairinho sobre Henry a executivo da área da saúde

·3 minuto de leitura

Em depoimento prestado ao Conselho de Ética da Câmara nesta terça-feira, dia 8 de junho, o executivo Pablo Menezes contou detalhes sobre os telefonemas e mensagens que recebeu do médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (sem partido), na madrugada de 8 de março. Os contatos do parlamentar, segundo o vice-presidente de operações e relacionamento da Qualicorp e conselheiro da Rede D’Or, foram para tentar impedir que o corpo de seu enteado, Henry Borel Medeiros, de 4 anos, fosse encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML), onde o laudo de exame de necropsia acabou apontando hemorragia interna e laceração hepática provocada por ação contundente, além de equimoses, hematomas, edemas e contusões incompatíveis com um acidente doméstico. Jairinho e a namorada, Monique Medeiros, mãe do menino, estão presos.

De acordo com o depoimento, o executivo relatou ter sido contatado pelo parlamentar à partir de 4h57. “Amigo, me dá uma ligada”, "Coisa rápida” e “Preciso de um favor aqui no Barra D’Or” foram as mensagens que ele recebeu do vereador. Cerca de duas horas depois, às 6h56, outro recado: “Amigo, assim que puder me liga”. Pablo afirmou ter conhecido Jairinho, com quem trocou telefone, em um evento na Câmara dos Vereadores, em 2019. Disse ainda que passou a ser procurado por ele com pedidos de atendimento para pacientes com Covid-19. Por isso, chegou a responder: “A coisa tá pegando lá”.

Às 7h17, Jairinho ligou mais duas vezes para Pablo. Em tom calmo e sem demonstrar nenhuma emoção, o vereador contou haver acontecido "uma tragédia", que o enteado havia morrido e "pediu que agilizasse o óbito". Ele havia chegado ao Hospital Barra D’Or com a namorada, a professora Monique Medeiros da Costa e Silva, e o filho dela às 3h50. O óbito do menino só foi atestado às 5h42 pela equipe médica. O executivo ligou para o hospital e foi informado de que seria necessário o envio do corpo ao IML, já que a criança chegara à unidade em "PCR" - parada cardiorrespiratória - e a morte não tinha causa definida.

“Agiliza ou eu agilizo o óbito. E a gente vira essa página” e “Vê se alguém dá o atestado para a gente levar o corpinho e virar a página”, disse, logo depois, Jairinho em outras mensagens. Pablo Menezes então disse que não atenderia o pedido do parlamentar. “Eu não atenderia nenhum pedido ilegal e tinha a certeza de que os profissionais do hospital também não atenderiam. Porém, ressalto que, neste caso, não cabia a mim atender ou não o pedido de Jairinho: é uma questão de autonomia médica, que considera todos os mandos legais. O motivo de os médicos não terem atendido se liga às circunstâncias de que a criança chegou ao Barra D’Or em parada cardiorrespiratória, com equimoses pelo corpo, e o óbito não tinha causa definida, sendo mandatário o envio do corpo ao IML”, disse o executivo.

No depoimento, Pablo afirmou ainda ter sido novamente procurado por Jairinho em 11 de março, por ligações e mensagens. “Podendo chama”, escreveu o vereador. O executivo diz não ter respondido e contou ter ficado “muito desconfortável” diante do pedido feito pelo parlamentar e ainda acreditar que ele tenha ficado “desapontado” com a sua recusa em atendê-lo.

O Conselho de Ética aguarda agora a resposta do governador Claudio Castro para concluir o processo de cassação de Jairinho por quebra de decoro, diante do processo de homicídio em que ele é réu pela morte de Henry. O vereador e Monique estão presos preventivamente desde 8 de abril.

“Agora falta só o governador Cláudio Castro, que tem até esta quarta-feira para enviar as suas respostas por escrito ao Conselho de Ética. Já estamos desde o dia 24 de maio na fase instrutória do processo. Pretendemos finalizar antes do recesso de julho”, disse o vereador Luiz Ramos Filho (PMN), relator do processo.