Vídeo antigo de barragem entre Argentina e Paraguai circula como se fosse no Brasil em 2021

·2 min de leitura

Uma filmagem na qual se vê um intenso fluxo de água passando por uma construção hídrica foi compartilhada mais de 25 mil vezes desde pelo menos 29 de dezembro de 2021 junto à alegação de mostraria a barragem do Rio Tocantins sob o risco de romper e alagar o estado brasileiro do Maranhão, após intensas chuvas no final do ano. Mas o vídeo circula na internet desde, pelo menos, 2017 e mostra a hidrelétrica de Yacyretá, na fronteira entre Paraguai e Argentina.

“BARRAGEM DO RIO TOCANTINS CORRE RISCO DE ROMPER E ALAGAR MARANHÃO…”, diz uma das publicações compartilhadas no Facebook (1, 2, 3). O conteúdo também circula no Twitter (1, 2) e no Instagram.

Captura de tela feita em 3 de janeiro de 2022 de uma publicação no Facebook ( . / )

A filmagem circula em meio a enchentes e alagamentos provocados por um aumento no volume do Rio Tocantins (1, 2), que tem deixado em alerta diversos municípios do estado desde o final de dezembro de 2021 e era monitorado pela Defesa Civil do Tocantins.

Nos comentários de uma das publicações viralizadas, porém, usuários alegavam que o vídeo, na realidade, não seria atual e tampouco teria sido gravado no Brasil: “Essa barragem é da Argentina da usina Yacyretá e é um vídeo antigo!”, escreveu um deles.

Uma busca no Google com as palavras-chave “yacyretá video antigo” levou a uma publicação de 31 de maio de 2019 feita pelo perfil oficial da Usina Hidrelétrica de Itaipu no Facebook, que continha a mesma gravação. Segundo o texto da publicação, o vídeo circulava como se mostrasse a usina de Itaipu, localizada no Rio Paraná.

“A Itaipu esclarece que este vídeo não é da usina, como está sendo divulgado de forma irresponsável por alguns meios de comunicação e perfis pessoais. (...) Trata-se de um vídeo antigo da usina binacional de Yacyretá, localizada na fronteira da Argentina com o Paraguai”, diz a publicação.

Buscas usando os termos “yacyretá” e “lluvias” (chuvas, em espanhol) trouxeram como resultado a mesma filmagem publicada em 2017 no YouTube. “Depois de uma chuva torrencial na área de Ayolas. A barragem Yacyretá Paraguai-Argentina estava dessa maneira”, afirma a descrição do vídeo em tradução livre do espanhol.

Uma comparação entre uma foto feita pela AFP em 2017 da usina entre o Paraguai e a Argentina permite identificar os mesmos elementos da gravação viralizada:

Comparação feita em 3 de janeiro de 2022 entre a filmagem viralizada (E) e uma foto da AFP de 4 de maio de 2017 em Yacyretá, Paraguai. ( . / )

O vídeo já havia sido checado anteriormente pela AFP em 2019, quando circulou vinculado a alegações que diziam respeito a um apagão que ocorreu em 16 de junho de 2019 na Argentina e no Uruguai. Na ocasião, porta-vozes da Entidade Binacional Yacyretá (EBY) afirmaram à AFP que a filmagem de fato mostrava a usina, mas acrescentaram que as imagens eram anteriores a 2019. Em agosto de 2021 a sequência voltou a ser compartilhada com a afirmação que se tratava de uma represa na Venezuela.

A Usina Hidrelétrica Estreito fica na divisa entre os estados do Tocantins e do Maranhão. Em um comunicado de 27 de dezembro de 2021, o Consórcio Estreito Energia (CESTE), responsável pela operação da hidrelétrica, afirmou que mantinha informes diários sobre as condições de vazões da usina às autoridades de defesa civil e segurança pública.

Em nota, o Corpo de Bombeiros Militar do estado do Tocantins afirmou ao Checamos que a gravação não corresponde a uma barragem no estado: “O Corpo de Bombeiros Militar, por meio da Defesa Civil Estadual, esclarece que a barragem a qual o vídeo faz referência não é no Tocantins. Aliás, aqui no estado, as estruturas existentes atuam com toda segurança possível e com aval da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL)”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos