Senado dos EUA vota para prosseguir com julgamento de Trump após exibição de vídeo de ataque ao Capitólio

David Morgan e Richard Cowan
·2 minuto de leitura
Senado dos EUA inicia julgamento de Trump

Por David Morgan e Richard Cowan

WASHINGTON (Reuters) - Os senadores norte-americanos votaram nesta terça-feira para avançar com o julgamento de impeachment de Donald Trump sob a acusação de incitar o ataque ao Capitólio, rejeitando a alegação de que o processo seria inconstitucional, depois de verem um vídeo do ataque de janeiro.

Por 56 votos a 44, o Senado decidiu prosseguir com o julgamento de Trump, cuja defesa argumentava que, como ex-presidente, o Senado não tinha legitimidade para julgá-lo após deixar o cargo. Os democratas esperam impedir que o ex-presidente republicano possa ocupar um cargo público novamente.

O vídeo apresentado por uma equipe de nove democratas da Câmara dos Deputados mostrou detalhes da invasão do Capitólio norte-americano no mês passado.

Os deputados democratas, que atuam no julgamento como procuradores, abriram a acusação mostrando um vídeo de apoiadores de Trump superando violentamente a polícia do Capitólio no ataque do dia 6 de janeiro após ele encorajar que os manifestantes "lutassem como no inferno" para reverter sua derrota na eleição do dia 3 de novembro.

"Se isso não é uma crime digno de impeachment, então nada mais é", disse o deputado democrata Jamie Raskin, que liderou a acusação, aos senadores reunidos, após apresentar o vídeo.

A imagem exibida mostrou apoiadores de Trump destruindo barreiras e agredindo policiais e o momento em que os manifestantes tentaram invadir as portas do plenário da Câmara enquanto parlamentares se protegiam do lado de dentro, incluindo o instante em que um policial atirou contra e matou uma manifestante, a veterana da Força Aérea norte-americana Ashli Babbitt, enquanto ela tentava pular uma janela quebrada.

Em outra cena, um invasor revirando os materiais na escrivaninha de um parlamentar pode ser ouvido dizendo "Tem que haver alguma coisa aqui que possamos usar contra os canalhas".

A condenação de Trump precisaria de votos de uma maioria de dois terços, o que significa que pelo menos 17 republicanos precisariam se juntar aos 48 democratas do Senado e aos dois independentes nos votos contra Trump. É um número muito improvável.

No ataque ao Capitólio, a multidão atacou a polícia, colocou parlamentares para correr em busca de segurança e interrompeu a certificação formal da vitória eleitoral de Joe Biden no Congresso, após Trump passar dois meses contestando os resultados da eleição. Cinco pessoas morreram no episódio, entre elas um policial.

Cerca de 170 policiais ficaram feridos.

O impeachment de Trump foi aprovado pela Câmara liderada pelos democratas no dia 13 de janeiro por acusação de incitação à insurreição. Os democratas esperam cassar os direitos políticos de Trump para garantir que ele nunca mais se candidate a algum cargo público novamente.

Trump é o único presidente a ser julgado no Senado após deixar o cargo e também o único a ter um processo de impeachment aberto contra si duas vezes. A absolvição do presidente parece provável graças ao apoio de colegas republicanos no Senado.

(Reportagem de David Morgan e Richard Cowan)