Vídeo com pessoas chorando por “morte da mãe” não tem relação com prisões em Brasília em 2023

Não é verdade que um vídeo que mostra pessoas chorando pela morte de uma idosa tenha relação com as detenções ocorridas em Brasília em decorrência de atos de vandalismo na Praça dos Três Poderes em 8 de janeiro de 2023. As imagens que circulam junto com a alegação de que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes está “mandando matar os patriotas” foram visualizadas mais de 250 mil vezes nas redes sociais desde 10 de janeiro. Mas a gravação circula, pelo menos, desde 2015 e narra o atropelamento de uma senhora na Paraíba.

“Xandão do PCC tá mandando matar os patriotas e as frouxas armadas não fas nada”, diz o texto do vídeo compartilhado no Facebook e no Kwai.

Captura de tela feita em 13 de janeiro de 2023 de uma publicação no Facebook ( l)

O conteúdo circula no contexto de prisões em massa realizadas na capital federal em razão de invasões e depredações de prédios públicos na Praça dos Três Poderes.

Em meio às detenções, grupos contrários à vitória de Luiz Inácio Lula Silva (PT) na eleição de 30 de outubro de 2022 passaram a propagar desinformação envolvendo supostas mortes de idosos detidos, que foram desmentidas pelo AFP Checamos (1, 2).

Mas apesar de a gravação circular com alegação de que o lamento de familiares se deu em meio às prisões, ela não foi feita em 2023, nem em Brasília.

Uma busca reversa por fragmentos da filmagem no Google levou a um vídeo mais longo (cuja versão arquivada pode ser conferida aqui) de uma reportagem da TV Tambaú, afiliada do SBT em João Pessoa, publicada por um jornalista em seu canal no YouTube em 10 de junho de 2015.

A matéria narra o atropelamento de uma idosa, cuja família recebe com tristeza o comunicado de sua morte. A partir dos 31 segundos, é possível ver os mesmos elementos do trecho viralizado nas redes:

Comparação feita em 16 de janeiro de 2023 de trechos de uma reportagem publicada no YouTube em junho de 2015 (E) com uma publicação no Facebook ( .)

O registro também foi compartilhado no Kwai em maio de 2022, como é possível verificar em seus metadados.

Além disso, o nome da idosa ao qual o vídeo viral se refere — Cícera Ribeiro — não consta na lista de presos divulgada pela Secretaria de Administração Penitenciária do Distrito Federal (Saepe).

Esse conteúdo também foi verificado pelo Aos Fatos e pela Reuters.