Vídeo de fabricante de vidros na China é falsamente associado aos ataques em Brasília

Um vídeo publicado por uma fabricante de vidros na China foi compartilhado milhares de vezes associado aos ataques que aconteceram em Brasília no domingo, 8 de janeiro de 2023. Na gravação, um homem aparece quebrando as vidraças de um prédio. Segundo usuários, ele seria um integrante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) agindo para “botar a culpa nos patriotas”. No entanto, a sequência foi publicada dois dias antes dos ataques aos edifícios dos Três Poderes e a autora do vídeo confirmou que o registro foi feito na China.

“Infiltrado filmado - Nome dele é Hugo. Ele é do MST... Aproveitou o momento para destruir tudo e botar a culpa nos patriotas, que são pessoas de bem, honestas, que só querem a liberdade, mas caíram na ilusão da insurreição que desandou em depredação do Planalto, Congresso e STF”, diz a legenda de uma gravação que circula no Twitter, no Facebook, no LinkedIn e no TikTok.

O vídeo mostra um homem quebrando as vidraças de um prédio e está sendo associado aos ataques às sedes dos Três Poderes, perpetrados por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) no último dia 8 de janeiro na capital federal.

Captura de tela feita em 9 de janeiro de 2023 de uma publicação no Twitter ( .)

Desde que os ataques aconteceram, circulam nas redes sociais alegações de que as depredações foram cometidas por “infiltrados” e não por apoiadores do ex-presidente. Mas o vídeo viral não tem relação com a invasão.

Por meio da marca d’água vista na sequência, o AFP Checamos conseguiu encontrar a publicação original.

A gravação foi publicada pela usuária Lisa Lee em seu perfil no TikTok, em 6 de janeiro de 2023 — dois dias antes dos ataques em Brasília —, com a legenda: “Trabalho de substituição de vidro, tão rápido”.

Em sua conta há uma série de vídeos sobre fabricação de vidros, todos gravados na China. Há, ainda, outras gravações de vidros sendo destruídos, um deles descrito como um “teste de impacto”.

Em seu perfil, Lisa Lee afirma ser uma “fabricante de máquina de laminação de vidro, com mais de 20 anos de experiência”.

No vídeo viralizado, também é possível identificar caracteres chineses na parede do prédio, indicando que as imagens não foram feitas em Brasília.

Captura de tela feita em 9 de janeiro de 2023 de uma publicação no TikTok ( .)

Procurada pelo AFP Checamos, Lisa Lee explicou por e-mail que o vídeo mostra o processo de substituição de vidros e confirmou que o registro foi feito na China, sem qualquer relação com os ataques recentes em Brasília.