Vídeo de pilha de dinheiro não mostra apreensão na casa de Cristina Kirchner; é uma escultura

A montanha de dinheiro vista em um vídeo que voltou a circular nas redes em julho de 2022 é uma obra de arte de um escultor espanhol e não o resultado de uma apreensão na casa da ex-presidente e atual vice-presidente argentina Cristina Kirchner, como dizem publicações virais. As postagens, com centenas de compartilhamentos, ainda alegam que “tentaram queimar” as cédulas, mas que a ação foi impedida pela chegada da polícia. Mas, na verdade, as notas compõem uma criação de Alejandro Monge, artista que pintou as cédulas de papel à mão.

“OLHA A MONTANHA DE DINHEIRO: EURO, DOLAR  e REAL, que foram encontrado na Casa da Cristina Kirchner, na Argentina. Tentaram queimar, mas a Polícia chegou a tempo de salvar parte da grana de propina. Essa bandida é queridinha do LULA e do PT”, diz uma das publicações que circulam no Facebook (1, 2) e no Twitter (1, 2).

Captura de tela feita em 25 de julho de 2022 de uma publicação no Facebook ( . / )

Mas a gravação, que já havia viralizado em 2019, não tem relação com a política argentina.

Montanha de dinheiro?

Uma busca reversa por fragmentos do vídeo levou a uma reportagem publicada em 22 de março de 2019 pelo jornal argentino La Nación, intitulada “Fim do mistério: a pilha de euros queimada era, na verdade, uma obra de arte espanhola”.

No texto, o diário informa que o vídeo mostrava uma obra de autoria do artista espanhol Alejandro Monge.

De fato, uma pesquisa pelas imagens usando a ferramenta Yandex mostrou que Monge havia publicado o mesmo vídeo em seu Instagram, em fevereiro de 2019, explicando se tratar de uma escultura.

O trabalho, que recebeu o nome "European Dream", foi exposto em Madri em fevereiro de 2018. Parte da obra foi apresentada também na Galeria 3 Punts, em Barcelona, entre março e junho daquele ano sob o título "SODOMA Y EUROPA".

 

 

 

 

 

View this post on Instagram

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A post shared by ALEJANDRO MONGE (@monge_art)

Em 2019, quando o vídeo começou a circular no Brasil, a AFP entrou em contato com Monge, que disse em e-mail, traduzido para o português:

“O vídeo foi feito por um visitante da feira de arte ArtMadrid em 2018 e um site holandês o publicou sem mencionar nada, assim o vídeo descontextualizado foi perfeito para sites de notícias falsas ao redor do mundo. Sabemos que ele foi usado no Haiti, na Rússia, em Camarões, na Espanha e no Paquistão com diferentes histórias ligando políticos locais".

"A escultura foi publicada na minha página no Instagram há um ano, incluindo a documentação de todo o processo de produção. Ela é feita de resina e madeira, e as notas são pintadas à mão com lápis de cor", completou o artista.

O Fato ou Fake também verificou este conteúdo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos