Vídeos mostram barreira policial frágil para acessar a Esplanada antes de atos terroristas; veja

Vídeos que circulam nas redes sociais mostram pessoas que passavam pela barreira da polícia militar do Distrito Federal no dia dos atos antidemocráticos apenas mostrando brevemente o interior das bolsas e mochilas para seguirem até a Praça dos Três Poderes. Apenas alguns dos pedestres vestidos de verde e amarelo eram solicitados a levantar a camisa antes de continuar a caminhada.

Financiadores: Dono de ônibus que transportou golpistas é ligado a Carla Zambelli e filiado ao Republicanos

Golpistas: saiba como é a rotina dos 1,2 mil detidos pela Polícia Federal

O episódio se soma a um conjunto de falhas das forças de segurança que foram expostas no dia dos ataques ao Congresso, ao Palácio do Planalto e à sede do Supremo Tribunal Federal (STF). Elas vão desde a falta de planejamento para se precaver de uma investida anunciada a indícios de omissão por parte do governador Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), afastado do cargo por ordem do ministro Alexandre de Moraes.

— A omissão e conivência de diversas autoridades da área de segurança e inteligência ficaram demonstradas com a ausência do necessário policiamento, em especial do Comando de Choque da Polícia Militar do Distrito Federal — escreveu o ministro na decisão.

Moraes também determinou, nesta terça-feira, a prisão do ex-ministro da Justiça Anderson Torres. A Polícia Federal cumpriu busca e apreensão na residência dele em Brasília, mas ele atualmente está nos Estados Unidos em viagem com sua família. A suspeita de Moraes é de que Torres, na função de secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, tenha sido um dos responsáveis pelas falhas no esquema de segurança que resultou na invasão dos prédios dos Três Poderes no domingo.

Também nesta terça-feira, Moraes determinou a prisão do ex-comandante-geral da Polícia Militar do Distrito Federal coronel Fábio Augusto. O coronel foi exonerado do cargo pelo interventor federal na segurança do DF, Ricardo Cappelli. A atuação da Polícia Militar nos atos terroristas na Esplanada dos Ministérios foi criticada por diversas autoridades, entre elas o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e motivou a decretação da intervenção.