Vítima de anestesista preso por estupro vai passar por atendimento psicológico, determina Justiça

A vítima de estupro cometido pelo médico anestesista Giovanni Quintella Bezerra, de 31 anos, no último dia 10, no Hospital estadual da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, passará por atendimento psicológico conduzido pela equipe técnica do Juizado Especial de Violência contra a Mulher, na Comarca de São João de Meriti. O crime foi gravado pela equipe de enfermagem. A determinação é do juiz Luís Gustavo Vasques, da 2ª Vara Criminal do município . Além disso, por determinação do magistrado, os peritos deverão elaborar um laudo sobre o estado dela para a Justiça. A Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) de São João de Meriti finaliza o inquérito de estupro de vulnerável contra o profissional que deverá ser entregue ao Ministério Público do Rio nesta terça-feira (19).

Giovanni Quintella Bezerra: Depoimentos de pacientes e parentes têm pontos em comum com estupro sofrido por grávida por anestesista

'Operação flagrante': Veja, passo a passo, como equipe de enfermagem desmascarou anestesista preso

Na última semana, a delegada Bárbara Lomba Bueno, titular da especializada, chegou a afirmar que a mulher estava “muito indignada, revoltada e chateada” com tudo o que aconteceu. Familiares da vítima e psicólogos foram os responsáveis por informá-la sobre o crime, que aconteceu após o parto, na mesa de cirurgia da unidade. Na sexta-feira (14), ela prestou depoimento, junto com o marido.

Dopada no parto: 'Não pude pegar meu filho no colo antes de ele falecer', diz paciente sedada por médico preso por estupro

Bezerra já foi denunciado pelo MP e virou réu na Justiça por estupro de vulnerável. A Deam de São João de Meriti investiga outros crimes que teriam sido praticados pelo anestesista em outras unidades de saúde. Os investigadores acreditam que ao menos 50 parturientes foram vítimas do médico. A delegada disse que "pela repetição das ações criminosas podemos dizer, por que não, que ele é um criminoso em série".

O GLOBO não conseguiu localizar a defesa do médico, que segue preso na Cadeia Pública Pedrolino Werling de Oliveira, conhecido como Bangu 8, no Complexo de Gericinó.

Gravação do flagrante: 'Há um vídeo?', perguntou médico ao ser preso por estupro de paciente durante o parto

Abusos em hospitais: Polícia investiga 50 casos suspeitos de estupro por anestesista

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos