Vítima de racismo, torcedor do Fluminense afirma que são-paulino fez 'várias vezes' gestos de macaco

O empate entre São Paulo e Fluminense no domingo (17) foi um dos grandes jogos do Brasileirão até aqui, mas ficou marcado por um triste acontecimento fora de campo. Nas arquibancadas do Morumbi, um são-paulino se virou para o setor visitante e fez gestos imitando um macaco para um torcedor do Flu.

Em entrevista exclusiva ao GLOBO, Gabriel Brandão, de 26 anos, afirmou que o ato racista aconteceu diversas vezes durante o intervalo da partida.

"Em um certo momento, esse homem, que não chamo de torcedor, começou a fazer um gesto de macaco. Ele fez várias vezes e nós chamamos os policiais, gritamos para a Polícia. Puxei o celular do bolso e falei: 'vou filmar, ele não vai parar de fazer'. Mesmo com o celular na minha mão, ele ainda fez, e os policiais chegaram para falar com ele, e ele parou, mas foi possível ver nos vídeos o que ele fez".

Em um relato em primeira pessoa, Gabriel contou detalhes de sua viagem de quase 500km até o Morumbi. Acompanhado de três amigos, ele saiu de São Gonçalo, sua cidade, ainda pela manhã, mas um imprevisto o colocou no exato local onde foi vítima de racismo.

"Me juntei com meus amigos e separei um domingo para ir de São Gonçalo até São Paulo ver o Fluminense, meu time do coração. Saí com três amigos às 7h da manhã da minha cidade, mas tivemos um imprevisto e chegamos ao Morumbi atrasados. Conseguimos ver o jogo, entramos, acabou o primeiro tempo e, no intervalo, procuramos um espaço vago para ver melhor o jogo e torcer para que o time pudesse virar o jogo e vencer. Foi quando se deu o ato racista", narra.

Enquanto torcedores das duas equipes trocavam brincadeiras separados por uma parede transparente e uma barreira policial, o são-paulino, ainda não identificado, começou a imitar um macaco e apontar para Gabriel.

"Estávamos bem perto dos policiais e da torcida do São Paulo. Estava uma zoação entre os torcedores, nada demais, brincadeira, recíproco. Em um momento acho que ele não tinha mais o que falar ou zoar e começou a fazer um gesto de macaco e apontar para mim. Decidi filmar e nem isso o impediu de continuar. Passou, eu coloquei o celular no bolso e o segundo tempo começou", relembra.

No calor do momento, Brandão não imaginou que o caso tomaria aquela proporção, até por nunca ter sofrido esse preconceito em estádios e não pensar em levar a denúncia do crime adiante. Mas ao fim do jogo, repensou e decidiu publicar os vídeos em sua rede social para tentar inibir novos casos de racismo no Brasil.

"Na hora não pensei em levar para frente e fazer boletim nenhum. Queria que o Fluminense ganhasse e eu voltasse para o Rio com a vitória, o empate ou que fosse uma derrota, mas sem ter que sofrer nada disso. Infelizmente isso aconteceu. Eu nunca tinha visto isso. A gente vê na televisão, mas nunca tinha acontecido comigo. Me assustei um pouco, me fez pensar em algumas coisas, mas graças a Deus tenho meu caráter, minha índole, minha família e é isso que fica para mim", conta.

Depois da publicação, Gabriel Brandão recebeu diversas mensagens de torcedores do São Paulo, do Fluminense e de rivais cariocas. O jovem pediu punição severa ao agressor, e enfatizou que o ato criminoso não pode se repetir.

"Agradeço todos os que se preocuparam. Desejo que esse torcedor seja punido e não vá mais aos estádios, para que outras pessoas não sofram outros atos racistas dele, além de outros torcedores que possam pensar em fazer isso não o façam. Racismo é crime", finalizou.

Gabriel ainda não realizou uma denúncia à Polícia sobre o caso. Hoje (18), o São Paulo informou, por nota oficial, que registrou um Boletim de Ocorrência contra dois indivíduos que foram filmados imitando macacos no Morumbi.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos