Vacinação contra a Covid-19 gera aglomeração e fila de espera de mais de 1h em Curitiba

KATNA BARAN
·2 minuto de leitura

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - Os profissionais de saúde de Curitiba se depararam na manhã desta quinta-feira (28) com uma fila de mais de uma hora para se vacinar contra a Covid-19 na capital. Durante todo o dia, a movimentação foi intensa na entrada do pavilhão do Parque Barigui, apelidado de Pavilhão da Cura. Além do tempo de espera, alguns trabalhadores enfrentaram a chuva para se vacinar. Segundo entidades que representam os profissionais, durante todo o dia, foram registradas aglomerações no local, em especial na área externa do pavilhão. A fila de trabalhadores chegou a dar voltas no parque. Ao contrário de outras capitais, que descentralizaram a aplicação das doses, este foi o único local escolhido pela prefeitura de Curitiba para a vacinação. Na terça-feira (26), os Ministérios Públicos Federal, Estadual e do Trabalho e as Defensorias Públicas da União e do Estado já haviam chamado a atenção para a possibilidade de formação de aglomerações no espaço. Em uma recomendação feita ao estado, os órgãos fiscalizadores apontaram ainda que a centralização da vacinação em um único lugar pode dificultar o comparecimento do público-alvo da campanha, além de superlotar as linhas de transporte público que levam ao pavilhão, tornando menos célere o processo de imunização dos trabalhadores da saúde. Segundo a secretária municipal de Saúde, Márcia Huçulak, o objetivo da centralização da campanha é "otimizar e melhorar o controle" sobre a vacinação, além de evitar o possível desvio de doses dos imunizantes. Em Curitiba, a vacinação contra a Covid-19 começou no dia 20 de janeiro depois que a cidade recebeu 23.160 doses da Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan. Até esta quinta-feira, 10.537 pessoas receberam o imunizante na capital. Após o registro de aglomerações, a prefeitura informou que, devido ao grande movimento, fechou o acesso ao parque no final da tarde desta quinta e que, aqueles que tinham horários agendados para o período da noite, não devem se dirigir ao local. Em nota, a prefeitura informou que, na quarta-feira (27), 50% dos profissionais que receberiam as vacinas não compareceram ao pavilhão e que, por isso, a Secretaria de Saúde fez contato com alguns hospitais da cidade para encaminhamento escalonado de equipes ao local. A prefeitura informou ainda que está organizando "um processo" a ser adotado nos próximos dias e que cada hospital deve organizar os grupos de trabalhadores por horário. Os nomes devem constar em listagem anterior já enviada à secretaria de saúde. Não é permitida a busca direta pela vacinação. Neste momento, o foco da campanha é em torno de profissionais da saúde e dos setores de alimentação, higiene e manutenção dos hospitais, segundo o órgão. Há uma linha especial de transporte dos trabalhadores do terminal de ônibus mais próximo do local até o pavilhão, que funciona de segunda a sábado, das 7h30 às 20h30.