Vacinação de motoristas de ônibus e de transporte escolar começa nesta segunda no Rio

Rodrigo de Souza e Lucas Altino
·3 minuto de leitura

Um dia após o prefeito Eduardo Paes anunciar, pelo Twitter, que rodoviários seriam integrados ao cronograma prioritário de vacinação contra a Covid-19, o secretário municipal de Saúde do Rio, Daniel Soranz, confirmou que a imunização de motoristas e cobradores de ônibus e condutores de transporte escolar acontecerá a partir da próxima segunda-feira, junto com a de outros públicos, como pessoas com comorbidades e servidores da limpeza urbana. A vacinação desses grupos seguirá o critério de idade.

Ontem, os mais de 250 postos de vacinação do Rio receberam homens com 60 anos, e hoje a prefeitura fará uma repescagem para todas as pessoas com 60 anos ou mais. A partir de segunda, esse público poderá se vacinar em qualquer posto de vacinação e em qualquer horário. Será também dia de mulheres com 59 anos que pertençam a grupos prioritários se vacinarem. Na terça, será a vez de homens com 59 e prioridade, e assim por diante.

Para tomar a vacina, pessoas com comorbidades deverão levar um documento de identificação original com foto e um atestado médico que comprove a doença ou a condição de saúde elegível. O atestado deverá conter QR Code para validação de autenticidade ou ser original, com assinatura do médico. Excepcionalmente, na ausência do atestado médico, serão aceitos: as três últimas receitas contendo a prescrição de medicamentos para condições que sejam contempladas como comorbidades, desde que emitidas nos últimos seis meses, ou laudo de exame diagnóstico que comprove a patologia.

Profissionais de categorias contempladas no cronograma deverão estar na ativa e levar, além do documento original com foto, os três últimos contracheques mostrando o vínculo com a profissão e o local de trabalho. Trabalhadores terceirizados lotados em unidades de saúde ou educação deverão levar tanto os contracheques quanto a declaração.

Na segunda-feira, o Rio também dará sequência à vacinação de profissionais de saúde, com homens e mulheres de 44 anos. É preciso apresentar documento de identificação original com foto e comprovante dos conselhos de classe.

Ontem, a cidade do Rio ultrapassou a meta de vacinação contra a Covid-19 para pessoas com 60 anos ou mais, disse Soranz. Segundo os indicadores da prefeitura, 91,2% dos cariocas dessa faixa etária já foram imunizados com a primeira dose da vacina — o objetivo era alcançar os 90% até o fim desta semana.

MP dá ultimato a Duque de Caxias

Em mais um capítulo da desordem na vacinação em Duque de Caxias, o Ministério Público do Rio expediu ontem recomendação para que a prefeitura tome medidas, em até 72 horas, para adequar a aplicação, armazenamento e até o controle de temperatura das doses de vacina contra Covid-19. No pedido, o MP afirma que as cobranças têm como base uma vistoria da força-tarefa que acompanha as ações de enfrentamento à pandemia nos postos de vacinação e na Central de Vacinas do município no último dia 16.

Os problemas na vacinação de Caxias já resultaram em pelo menos quatro recomendações e três decisões judiciais que obrigam o município a obedecer aos critérios do Plano Nacional de Imunização (PNI). Na terça, o MP encaminhou um novo pedido à Justiça para que haja intervenção na saúde da cidade.

Desde o início da campanha, a prefeitura vem avançando nas faixas etárias a serem vacinadas mesmo sem todas as doses suficientes para cada público. Assim, a população de 57 anos já pode comparecer aos postos desde quinta-feira, mas a demanda é muito maior que a oferta, o que gera imensas filas e milhares de idosos sem vacina. Nessa semana, a aplicação da segunda dose de CoronaVac chegou a ser suspensa, por falta do imunizante.

Na nova recomendação, o MP ataca os problemas de armazenamento de doses e controle dos registros de vacinados.