Vacinação vai começar pelas capitais, diz Ministério da Saúde

Paula Ferreira
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — O Ministério da Saúde afirmou nesta quarta-feira que a vacinação vai começar pelas capitais do país, uma vez que aguardar a chegada do imunizante em todos os municípios do Brasil poderia atrasar muito o cronograma.

De acordo com o secretário executivo da pasta, Élcio Franco, há um impedimento legal para que a distribuição das doses pelo país comece antes da autorização do imunizante por parte da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

— Vai começar pelas capitais, eu não posso esperar chegar em 5570 municípios, 38 mil salas de vacinação para então 'startar' a vacinação. Vai começar quando chegar nas capitais, se ao mesmo tempo já tiver conseguido chegar também nos municípios mais próximos ou até em odos municípios, se a gente conseguir cumprir o prazo podemos começar em todos municípios de um estado. Mas os senhores conhecem a realidade do Brasil com seus 8,5 milhões de KM2 — afirmou Franco.

Segundo o secretário executivo as desenvolvedoras da vacina só podem começar a enviar as doses para os estados após a decisão da Anvisa.

— É uma questão até legal. A vacina que não tem autorização está sob termo de guarda. Então ela está com o Butantan, mas não pode ser usada. O termo de guarda há responsável técnico que etá com a guarda dessa vacina, ele não pode usar a vacina, não pode distribuir, não pode lotear. A mesma coisa para a vacina que vier importada da Índia que ficará com termo de guarda na Fiocruz — disse.

Questionado sobre o motivo de não começar a campanha por São Paulo e Rio de Janeiro, onde estão o Instituto Butantan e a Fiocruz, que detêm as doses da vacina, Franco frisou que a intenção é que "ninguém fique para trás".

— São Paulo e Rio nao estão perdendo, o Brasil está ganhando — disse.