Vacina "90% eficaz" traz esperança a um mundo devastado pela pandemia de covid-19

Oficinas de la AFP en el mundo
·4 minuto de leitura
Os laboratórios Pfizer e BioNTech anunciaram que a vacina que desenvolveram juntos "é 90% eficaz" contra o coronavírus

Vacina "90% eficaz" traz esperança a um mundo devastado pela pandemia de covid-19

Os laboratórios Pfizer e BioNTech anunciaram que a vacina que desenvolveram juntos "é 90% eficaz" contra o coronavírus

Em um momento em que o mundo está de joelhos devido à pandemia de covid-19, que já deixou mais de 50 milhões de infecções e quase 1,26 milhão de mortes, os laboratórios Pfizer e BioNTech anunciaram nesta segunda-feira(09) que a vacina que desenvolveram juntos "é 90% eficaz" contra o coronavírus. 

O anúncio desencadeou euforia nos mercados e trouxe esperança a um planeta farto dos confinamentos, restrições, toques de recolher e dificuldades econômicas e sociais causadas pelo vírus que o assola há pouco menos de um ano após ter emergido na China. 

"Os primeiros resultados da fase 3 do nosso ensaio da vacina contra a covid-19 fornecem evidências iniciais da capacidade da nossa vacina para prevenir" esta doença, disse o presidente da Pfizer, Albert Bourla, acrescentando que estão "mais próximos de fornecer aos cidadãos do mundo" esta vacina. 

Com base nas projeções, os dois laboratórios disseram que esperam entregar 50 milhões de doses em todo o mundo em 2020 e até 1,3 bilhão em 2021.

- Esperança -

O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, que disse ter recebido a notícia de maneira antecipada no domingo à noite, felicitou "os brilhantes homens e mulheres que ajudaram a produzir este avanço e a nos dar uma razão para sentir esperança".

Mas advertiu que o fim da batalha contra a covid-19 "ainda está a vários meses de distância", destacando a importância de continuar usando máscara.

"O MERCADO FINANCEIRO SOBE MUITO, VACINA EM BREVE. INFORME 90% EFETIVO. QUE GRANDE NOTÍCIA!", tuitou o presidente Donald Trump.

O especialista americano Anthony Fauci classificou os resultados como "extraordinários", mas outros indicaram que as idades dos participantes nos testes ainda são desconhecidas. 

O objetivo da vacina é "reduzir a mortalidade nos casos mais graves e, portanto, para permitir que a população volte à vida normal, deve ser eficaz entre os idosos", afirmou Eleanor Riley, da Universidade de Edimburgo. 

A Pfizer e a BioNTech são as primeiras a publicar os resultados da análise intermediária da terceira fase, mas de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), outros novos projetos de vacinas estão na mesma fase. 

A Modern American Pharmaceuticals, vários laboratórios estatais na China e a University of Oxford em parceria com o AstraZeneca Laboratory coordenam alguns programas. 

Por enquanto, nenhuma vacina recebeu autorização de distribuição comercial em grande escala, mas as autoridades chinesas deram luz verde para o uso emergencial de algumas de suas vacinas em desenvolvimento e, na Rússia, parte da elite política afirmou ter sido vacinada com o antígeno Sputnik V, que o governo espera implantar maciçamente nos próximos meses no país.

- Ciência e solidariedade -

Pouco antes de a notícia estourar e em meio a uma segunda onda generalizada de infecções, Biden nomeou os cientistas que vão liderar, em seu governo, a luta contra a pandemia, deixando claro qual será a prioridade quando ele iniciar seu mandato em 20 de janeiro. 

O diretor-geral da OMS exortou a comunidade internacional a não "fechar os olhos" diante da pandemia de covid-19, mesmo que o mundo esteja "cansado" do vírus. 

Tedros Adhanom Ghebreyesus parabenizou Biden e a vice-presidente eleita Kamala Harris em seu discurso de abertura nesta segunda-feira na assembleia geral anual da OMS, que está sendo realizada online esta semana. 

“Estamos satisfeitos com a ideia de trabalhar em estreita colaboração com o seu governo”, acrescentou, celebrando a atitude de Biden de criar uma célula científica para combater o vírus e reverter o processo de retirada dos EUA da OMS, iniciado por Trump. 

O vírus "ataca os que sofrem de problemas de saúde. Mas também ataca outras fraquezas: desigualdade, divisão, negação, boas palavras e ignorância deliberada", acrescentou. "Não podemos negociar com a covid-19 ou fechar os olhos e esperar que desapareça." 

“Nossa única esperança é a ciência, soluções e solidariedade”, disse ele aos 194 países membros da entidade reunidos para a assembleia, que será encerrada em 14 de novembro.

 

- Fora de controle -

 

Enquanto isso, a agência da ONU para a infância, a Unicef, divulgou um relatório pedindo a reabertura imediata das escolas na América Latina e no Caribe, onde o coronavírus deixa 12 milhões de infecções e 412.000 mortes. 

A pandemia ameaça uma "catástrofe geracional" ao afetar a educação de milhões de crianças na região mais desigual do mundo, disse ele. 

E na Itália, a pandemia está "fora de controle", portanto é necessário um "confinamento nacional" para evitar o contágio, disse o especialista Massimo Galli, chefe do departamento de doenças infecciosas do Hospital Sacco em Milão. 

“As outras doenças não estão em greve por causa da covid-19 e temos que nos organizar (...) porque senão a pandemia vai acabar causando danos maiores”, acrescentou. 

Mas toda a Europa está em crise por causa do coronavírus, com novas medidas de confinamento e toques de recolher em vários países, incluindo a mobilização de reservistas na Suíça, que geram resistência em uma população cansada de tantas restrições e sofrimentos. 

Leipzig, na Alemanha, foi palco do fim de semana de tumultos durante protestos contra as novas medidas para conter o coronavírus que resultaram em 31 detidos. 

Em Madrid, centenas de ativistas manifestaram-se no sábado contra a "ditadura" do coronavírus.

bur-yow/rsr/jc