Vacina da Janssen, comprada pelo Brasil, protege contra variantes, diz estudo

·2 minuto de leitura
Vacina da Janssen, comprada pelo Brasil, protege contra variantes, diz estudo
Vacina da Janssen, comprada pelo Brasil, protege contra variantes, diz estudo

A vacina da Janssen, adquirida pelo governo federal, gera anticorpos contra algumas das variantes da Covid-19. Os resultados da pesquisa foram publicados na última quarta-feira (9).

De acordo com pesquisadores do Beth Israel Deaconess Medical Center, o imunizante é menos eficaz contra a variante Beta (da África do Sul), mas ainda assim gera anticorpos. Já a variante Alfa (do Reino Unido) consegue ser totalmente controlada pela vacina.

Segundo o estudo, os anticorpos neutralizantes foram um pouco menos eficazes contra as cepas da Covid-19. No entanto, os outros anticorpos parecem não ter sido afetados. O estudo ainda precisa passar por revisões. Além da Janssen, as vacinas da Moderna e da Pfizer também foram bem-sucedidas nos testes contra as variantes.

Vacina da Janssen no Brasil

O Brasil deve receber nos próximos dias o primeiro lote de 3 milhões de doses da vacina da Janssen contra a Covid-19. Esses imunizantes, que são de única aplicação, devem chegar perto do prazo de validade, já que vencem no dia 27 deste mês.

Leia mais:

O Ministério da Saúde informou que a previsão de chegada dessas vacinas é na próxima terça-feira (15), o que significa que o país teria menos de duas semanas para utilizá-las. Nesta terça-feira (8), essa questão foi compartilhada pelo ministério com técnicos das secretarias estaduais de todo o país, com o objetivo de preparar a logística adequada para garantir que todas as doses possam ser aplicadas nos brasileiros, sem risco de desperdícios.

Segundo o governo federal, as vacinas devem ser distribuídas apenas às capitais. Isso facilitaria a aplicação, já que essas regiões têm melhor infraestrutura. Operação semelhante já é feita com carregamentos da Pfizer/BioNTech, porque esse imunizante precisa ser conservado em temperaturas mais baixas.

Pesquisas sobre o imunizante de dose única apontam que a eficácia global (casos leves e moderados) é de 66%. Já a taxa de proteção contra casos graves é de 85%.

A tecnologia aplicada nessa vacina da Janssen é a de vetor viral não replicante, aquela em que é adotado um adenovírus humano modificado para não se replicar mais. Tal adenovírus (nesse caso, o Ad26) é editado para carregar a proteína spike do coronavírus Sars-CoV-2.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos