Vacina da Novavax tem eficácia geral de 90%, aponta estudo

·2 minuto de leitura
UKRAINE - 2021/04/27: In this photo illustration, silhouette of hands in medical gloves hold a medical syringe and a vial in front of Novavax logo. (Photo Illustration by Pavlo Gonchar/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
Foto: Pavlo Gonchar/SOPA Images/LightRocket via Getty Images
  • Imunizante passou pela fase 3 de testes nos EUA e México

  • A vacina evitou 100% de casos moderados e graves entre participantes

  • Novavax foi testada também no Reino Unido e África do Sul

A farmacêutica Novavax divulgou hoje (14) que sua vacina contra a Covid-19 teve eficácia geral de 90,4% na fase 3 de testes, que ocorreram nos Estados Unidos e no México. A NVX-CoV2373 também evitou 100% de casos graves em participantes que receberam o imunizante.

O estudo, chamado Prevent-19, contou com a participação de 29.960 pessoas nos EUA e México. A cada dois participantes, um recebia uma vacina placebo. No total, houve 77 casos de Covid-19 entre os integrantes do estudo, sendo 14 entre os vacinados, todos com sintomas leves. Este resultado sugere que a vacina possui eficácia de 100% contra casos moderados e graves.

Leia também:

Os dados vieram após a empresa haver divulgado o sucesso em seus testes no Reino Unido (fase 3) e na África do Sul (fase 2b), que demonstraram uma eficácia de 100% contra casos graves em pessoas infectadas com a cepa original do coronavírus.

A farmacêutica afirma que o imunizante possui 91% de eficácia em grupos de “alto risco”, ou seja, pessoas de 65 anos ou mais, com comorbidades ou que estão excessivamente expostas à contaminação.

A vacina

A NVX-CoV2373 usa uma tecnologia chamada proteína recombinante. Parecida com as vacinas de RNA, como é o caso da Pfizer, essa vacina irá entregar as proteínas já prontas, no lugar de “ensinar” as células do corpo a produzi-las.

Dos 77 participantes infectados nos testes dos EUA e México, 54 foram sequenciados geneticamente para avaliar qual variante havia causado a doença. A empresa informou que entre estes, 35 eram de variantes de preocupação e 9 de variantes de interesse, sem divulgar quais variantes eram. Os outros 10 casos eram de outras variantes.

Na época do estudo, entre 25 de janeiro e 30 de abril, a variante britânica (B.1.1.7) era a predominante nos Estados Unidos, de acordo com a empresa.

Os estudos realizados no Reino Unido concluíram para uma eficácia geral do imunizante de 89,3%, já os realizados na África do Sul apontam uma eficácia de 49,4%. Dos 27 casos que aconteceram entre os participantes no país africano, 25 estavam infectados com a variante local do coronavírus.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos